Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias O engano Autor(a): Ana Regina Carnevalli Parra - Conheça esse autor
História publicada em 18/11/2013

A mineirinha há tempos busca medicação para a vizinha,

pobre coitada, lá no bairro do Campo Limpo.

Dias desses, ela pediu mais remédio para o diabetes,

porque estava acabando.

 

A mineirinha estranhou aquele pedido, pois

tinha certeza que o retirara na quantidade correta.

A outra explicou: você sabe que eu não sei ler,

e tomo também remédio para dor.

 

Explicou que na semana passada foi a um velório.

Como havia muitas pessoas com dor de cabeça,

ofereceu o remédio a todos. Achou que era para dor.

A mineirinha endoidou.

 

A vizinha trocou a medicação o tempo todo,

o açúcar do povo, no velório, baixou, a dor passou

e ninguém notou!

E-mail: arcparra@ig.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 19/11/2013

Conclusão, Parra, (a minha): todos no velório, tinham diabetes senão, hipoglicemia, iriam acompanhar o personagem principal do velório.

Parabéns, Carnevalli.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 19/11/2013

Quase que a danadinha matou alguém por coma hipoglicêmico....

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 19/11/2013

É, Ana, minha querida, o que dizer? O seu texto provoca muitas discussões e reflexões. Parabéns, Um beijo.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 18/11/2013

An, tem que seguir aquele aviso do Ministerio da Saude, deixe o remédio fora do alcande das criaças e de quem não sabe ler, gostei, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estantec@gmail.com
Publicado em 18/11/2013

Ana,quando a sintonia não existe é assim mesmo, as coisas acontecem, surge a confusão, pouco se percebe e tudo se esquece.Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 18/11/2013

As duas gostam de ajudar os outros.

De uma maneira ou de outra.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »