Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Caso das Novelas Autor(a): Vera Moratta - Conheça esse autor
História publicada em 09/12/2013
O grande prazer da minha vida em tempos de infância ocorria quando recebia a visita de algum parente. Era exultante a minha felicidade nessas ocasiões. Haveria a boa conversa, algumas piadas diferentes, casos diversos, entrosamento, enfim. A nossa vida em São Paulo, no nosso saudoso e simpaticíssimo Cambuci, era carregada de sofrimento e perdas, além da inenarrável solidão.
 
Quando alguém anunciava sua chegada, era como se o sol nascesse para mim, sol de primavera com o seu vigor prometido, exalando cores e com perfume da vida que não se inibiria: antes, se faria esplêndida, vibrante, carregada de um mertiolate profundamente amoroso e oportuno para curar nossas feridas de alma.
 
Muito mais que uma festa esplêndida! Assim era a espera da chegada de algum tio, prima ou de uma família. Mas eu sabia que, quando fosse a partida, eu sofreria imensamente a perversidade da solidão. Era, pois, o tempo em que eu pensava com muita frequência em sair da minha São Paulo, porque, seguramente, muitas pessoas estariam marcando presença na minha vida, com intensidade e beleza.
 
A presença dos parentes em casa, mesmo que por poucos dias, daria espaço para brincadeiras, menos proibições. Quem sabe, eu não precisaria ir às aulas de catequese... E como era sofrível os tempos das aulas da pré-primeira comunhão! Uma lição de medo profundo, um ensaio exaustivo e seríssimo para não se ir para o inferno. A hora decisiva seria lá no purgatório: ou se iria para o céu ou para o inferno depois do julgamento. Difícil seria ir para o céu. Para tanto, a pessoa haveria de ser apenas pia, temente, obediente, recatada, passiva, sensata, verdadeira, benevolente, subserviente, laboriosa, compassiva, resignada, íntegra, além de ter que sofrer calada e nem pensar em rir alto. E se a moça não fosse virgem, o inferno seria garantido e por toda a eternidade e sem direito à apelação. Tempos sombrios aqueles, de negação da infância, da construção e consolidação do medo. Uma juventude a ser construída para a negação da vontade e a liberdade. Levei uma vida para fazer as pazes com a Igreja.
 
Então os parentes chegavam. Quantos abraços de boas-vindas! E podia ser parentes de Minas ou do Paraná, todos eram esperados com alegria.
 
Naqueles anos 60, com a transmissão televisiva ainda tão lenta para chegar aos diversos cantos do Brasil varonil, a curiosidade das tias era infinita ao chegar a São Paulo. Um capítulo da novela levava mais de duas semanas para chegar ao interior de outros Estados. Uma tia, lá das Alterosas, achava que a gente encontrava artistas na rua com frequência.
 
Lá vinham as perguntas para minha mãe:
- “Célia, você já viu o Henrique Martins? Não? Mas nem a Aracy Balabanian, o Juca de Oliveira, a Hebe Camargo? Ninguém?”
O sonho da tia era saber detalhes, voltar para a sua santa terrinha e poder contar à exaustão para as outras irmãs, filha e sobrinhas.
A pergunta recorrente: 
- “como está a novela aqui?”
- “Tá assim, é? Noooooossa! E o que aconteceu com aquele malvado? E a malvada?”
Lógico, os malvados da época estavam também a mil. O bonzinho sempre com jeito de babaca... Não, esse não despertava muita curiosidade, apenas compaixão.
 
Depois da janta, era a hora da novela. Todas as mulheres ficavam defronte à TV Phillips em pé, enfileiradas atrás do sofá. Em pé sim, porque, na época, o “must” para não criar barriga era ficar em pé depois do jantar. Logo depois veio a fase de, também após o jantar, ficar um tempo com os braços para cima. Era degradante ver a minha mãe e a minha avó com os braços esticados perto do meu malfadado piano, o mesmo onde eu tinha que tocar Bach e Beethoven sem imaginar “qual era a desses caras”... Isso em tempos de Jovem Guarda, em que eu adoraria tocar “Por favor... Pare agora! Senhor juiz, pare agora!”
 
Mas, no caso da novela, eu tinha uma vontade imensa de contar tudo ao contrário quando ia a Minas. Só para ver o que ia dar. Mas nunca fiz isso. Até porque o medo do pecado da mentira rondava o meu imaginário. E dá-lhe medo do inferno...
 
E-mail: vmoratta@terra.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 12/12/2013

Vera, li teu texto ontem que foi, sem duvida alguma, um dia cabalístico (11.12.13), tanto assim que os telefones calaram, os sistemas desistematizaram, a internet se pirulitou e, ainda, não conseguia postar meu comentário. Imagine como fiquei assustado! No entanto, nada de mais grave ocorreu e hoje, dia seguinte, sem mais cabalismos e outros que tais, posto meu simples comentário de agradecimento por mais esse momento de puro encantamento.

Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 11/12/2013

Vera querida: Como é bom encontrar ecos da nossa própria memória nos seus escritos. Delícia de texto! PARABÉNS!

Enviado por Neide Gaudenci de Sá - neidegsa@gmail.com
Publicado em 10/12/2013

Vera em 1955 me preparei para a minha primeira comunhão aqui no Sagrado Coração de Jesus em Vera. Tudo preprado e chegou finalmente a preparação para a primeira confissão. La na frente a catequista nos contou essa história. Havia uma mulher confessando e cada vez que ela abria a boca saia uma cobra la de dentro, porem, havia uma cobra enorme que ameaçava sair e voltava para traz. Dis ela que a cobra enorme era o “Pecado Mortal” Segundo o seu exemplo era para nós fazermos muito bem o exame de consciência para não deixarmos nenhuma cobra dentro de nós principalmente a maior, porque nos faria muito mal e de nada valeria a confissão. Naquela época para nós, principalmente interioranos mal sabiamos matar baratas. Acredito que alem de mim muitos companheiros não dormiram naquela noite.

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 10/12/2013

Quantas conversas familiares foram ao “pé da mesa”, onde todos rodeavam e contavam “causos”. Hoje todos correm ao “pé do sofá” a ver a TV, e...morreu o dialogo, todos ficam mudos diante das imagens via satélite e ficamos “longe” uns dos outros, mesmo quando perto, falamos com o celular!!!

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 10/12/2013

Passei por tudo isso, igualzinho só que alguns anos antes de você, Assim não vale você esta "plagiando" a minha juventude até mesmo a vida religiosa, que era assim mesmo. PARABÉNS PELO EXCELENTE TEXTO.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 10/12/2013

Vera, que pena que você ficou com medo, mas seria uma ótima inverter as histórias.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 10/12/2013

Oi, Verinha querida, não seja tão radical com sua meninice e juventude. Afinal, vc só seguia os trâmites de uma educação apurada, sensível e bem estruturada. Ao lembrar aqueles tempos,vc julga (como eu, também) tópicos de um comportamento, sob a luz da situação atual. É evidente a diferença, a severidade imposta tinha um propósito e vc bem sabe qual era. Porém, deve-se também, avaliar o lado positivo daquela estrutura de educação. Veja, hoje, a Vera como ela é, o que sabe da vida, a soberba construtora de narrativas, a educação e o respeito que, sem te-la por perto podemos avaliar todos estes quesitos. Tenha saudades, sim mas, não seja tão severa com seu aprendizado. Parabéns, querida Moratta.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 09/12/2013

Vera, mais uma realidade antiga que faz falta hoje em dia,esse temor do pecado do inferno, com certeza forjou muita gente de valor, honesta e digna, hoje...., bem....., deixa para lá, parabéns, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estantec@gmail.com
Publicado em 09/12/2013

Adorei Vera, lembrei que lá em casa também era assim. A chegada dos parentes nos proporcionava uma imensa alegria, porque tudo ficava diferente, saímos da rotina, que delícia!Como sempre seus textos são ótimos, meus parabéns.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 09/12/2013

Ai que medo do inferno!!!!

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »