Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias O presente de aniversário Autor(a): Ana Regina Carnevalli Parra - Conheça esse autor
História publicada em 04/12/2013
Cada vez que chega em casa
ou arruma a mala para viajar,
a mesma pergunta: “onde está a minha bermuda?”.
 
A resposta: no varal, é claro!
Nem fica no armário, pois, o movimento se repete:
lava e veste. Com um tapa do vento do alto de Santana, já seca.
Ele não consegue ficar sem essa bermuda azul marinho, bem desbotada.
 
Por várias vezes foi separada para doação,
mas não dá tempo, logo a retira do lugar para usar.
Não foi por falta de procurar outra para substituí-la.
Nada o agrada, quer o raio da bermuda surrada.
 
Fala que aquela sim tem tecido firme,
mas agora parece um pano de chão.
O jeito foi pedir para a comadre repetir esse presente,
quem sabe ainda, no próximo aniversário.
 
Coitada, ela já nem lembrava mais que um dia deu essa bermuda, espantosamente, tão inseparável.
 

 

E-mail: arcparra@ig.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 09/12/2013

Ana, eu tenho duas bermudas, exatamente iguais, parece que estou sempre com a mesma, mas não me separo delas de jeito nenhum.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 05/12/2013

Ana, acredite! Até hoje eu tenho um maiô que ganhei da tia Norma. Eu tinha 14 anos. Hoje, 55. Só a gente sabe o valor de certas roupas. Gostei muito do seu relato. Um beijo, querida.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 04/12/2013

Ana, adorei os versos, tenho uma cueca assim inseparável, já fiz de tudo para acabar com ela, mas a mesma continua em atividade para desespero de minha esposa,kkkk

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 04/12/2013

Ana, usei durante anos uma camisa jeans que a cada lavada ficava mais bonita e mais confortável. Mas como minha mulher não tinha a mesma opinião, um dia ela (a camisa) simplesmente desapareceu.

Enviado por Abilio Macêdo - abilio.macedo@bol.com.br
Publicado em 04/12/2013

É verdade quando a gente gosta de uma roupa,usa até ficar rasgadinha..

Por mais velhinha e surrada que estejaestá sempre na mala.

E você , em verso fala da bermuda que a comadre deu de presente, e que nem ela dele se lembra mais.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 04/12/2013

Bela demonstração de carinho por um objeto. Parra, vc consegue contar uma história poeticamente, com muito brilho. Parabéns e boas festas pra vc e toda família, Ana Regina.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 04/12/2013

Uma velha e surrada bermuda faz parte do fim de semana, e muitos possuem a "inseparável amiga" domingueira,algo que já faz do "ser"!!!

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 04/12/2013

Ana, muito legal seu texto. Às vezes nos deparamos com situações assim, é que nem sapato velho, quanto mais velho melhor fica no pé.Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 04/12/2013

Ana, tem certos tipo de roupa que veste tão bem que devia durar a vida toda, Estan

Enviado por Estanislau Rybczynski - estantec@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »