Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Um Natal diferente! Autor(a): Roseli Tadeu Nabarrete - Conheça esse autor
História publicada em 17/12/2013
Naquele dezembro estávamos muito felizes porque iria ser "inaugurada" uma nova árvore de natal (natural), grande, verdinha e o papai tinha colocado, em torno da lata que abrigava a árvore, papel laminado vermelho. Gente, estava demais e nós estávamos ansiosos para enfeitar a dita árvore.
 
Enfeites novos, o algodão imitando neve (nem sei para quê), afinal, vivemos em um país tropical, mas enfim, era comum a neve na árvore. O presépio grande, com vaquinhas, camponeses, a família sagrada, os reis magos e um lago que meu pai colocava um espelhinho e em volta areia. Era lindo mesmo. Nesse ano, o meu pai havia comprado nossa primeira televisão, com tubo e palhinha na antena interna, porque lá fora também tinha antena, que com o tempo mudava de rumo e era um sufoco arrumar.
 
Finalmente, tudo ficou pronto e as crianças encantadas com tanta coisa bonita junto. Na televisão, passava o Circo do Arrelia e minha irmã encostou em uma parede para apreciar aquele momento tão especial, quando de repente alguém a chamou e ela bateu o nariz com tudo na dita parede. Chorou muito de dor e meus pais a levaram para o pronto socorro da cidade, porque a dor era muita. Para diminuir a dor, minha mãe colocou um esparadrapo puxando o nariz da minha irmã para o lado oposto da dor, só um paliativo.
 
Imagine 24 de dezembro, por volta das 20h, e lá chegando o médico. Estava dormindo o sono dos anjos, no mínimo tinha tomado todas e ele, sonolento, perguntou à minha mãe o que significava aquele esparadrapo no nariz dela e em um átimo e em um pulo o médico disse: Nossa, sua ideia é genial! Continue então com esse seu engenho e espere a dor passar. Aí meu pai falou: Como doutor, a menina vai ficar com isso? Estamos no Natal! E se piorar a dor?
 
- O médico então falou para meus pais: Fácil de resolver, pinte o esparadrapo de vermelho e ela não ficará fora do espírito natalino.
 
Gente, foi terrível aquele natal para minha irmã, que ficou com o negócio no nariz durante todas as festas.
 
E-mail: mararoseli@yahoo.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 18/12/2013

Gostei de seu texto e muito mais de seu retorno ao site.

Parabéns e Boas Festas.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 18/12/2013

Roseli Ela bem que poderia aproveitar e participar do circo do Arrelia já que estava caracterizada. Risos - Forte abraço ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 18/12/2013

Mais uma simpática ocorrência natalina a ilustrar nosso site. Parabéns, Nabarrete, que este Natal seja muito feliz pra vc e sua Família com um ano novo pleno de amor, paz e muita saúde.

Modesto.

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 18/12/2013

No Natal sempre acontecia algo diferente e que marcou nossas lembranças: veja que um dia natalino quem estava “meio alegre” era o próprio Papai Noel que falava coisas incompreensíveis para nós, imaginem para as crianças!!!

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 17/12/2013

Roseli, são coisas que acontecem r ninguém tá livre. Comigo aconteceu com meu cotovelo,na passagem de ano, acabei ficando com ele todo amarrado...rsrsr. Um feliz Natal pra você e toda sua família.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 17/12/2013

Que hilário.

O médico realmente tinha tomado todas, para agir dessa maneira.

E coitadinha da sua irmã.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 17/12/2013

Esse medico era um Monstro, ou tinha tomado todas e não deveria estar de plantão. mas...

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 17/12/2013

Roseli, não sabe o quanto fiquei feliz ao te reler por aqui.Há tempos você havia nos abandonado e isso não é bom. Felizmente você voltou com um texto muito bonito, como é característico seu. Um felicíssimo natal, com a sua irmã com o nariz bem bonitinho. Um beijo e muitas felicidades.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
« Anterior 1 Próxima »