Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Emoções do cotidiano Autor(a): Margarida Pedroso Peramezza - Conheça esse autor
História publicada em 27/12/2013
Certa vez, eu e meu neto estávamos voltando para casa aqui no Tatuapé, quando um cachorrinho se aproximou e olhou-nos como se estivesse pedindo licença para nos acompanhar. E assim ele fez, nos acompanhou até o portão do meu prédio.
 
Entramos e ele ficou ali do lado de fora, sentadinho e com os olhinhos pendurados como se estivesse pedindo alguma coisa. Fiquei sem entender, mas meu neto logo percebeu que ele estava mesmo com fome, então subimos correndo para buscar algo para ele comer, mas acho que demoramos demais para selecionar um pouco de comida e água.
 
Quando chegamos ao portão, o porteiro nos disse que o cãozinho ficou cabisbaixo esperando a nossa volta, mas viu que não voltamos e foi embora triste. Então resolvemos ir procurá-lo pela indicação e possível rota que o porteiro nos traçou. Nesta altura, meu neto já estava chorando com o alimento na mão. Subimos a rua e o avistamos na porta de uma loja, cujo dono nem havia percebido a sua presença.
 
Fomos chegando de mansinho e meu neto colocou a comida e água perto dele. Nossa! Ele logo foi devorando tudo, realmente estava com muita fome. Afastamo-nos com tristeza porque não podíamos ficar com ele e de longe vimos que depois dessa merenda aconchegou-se e tirou uma soneca.
 
Fomos embora tristes, é claro, e pensando que depois daquele merecido descanso ele iria perambular por outras ruas aqui do bairro e ganhar mais uma carinhosa e gostosa refeição. E, quem sabe, até encontrar alguém que pudesse lhe dar um novo lar.
 
É muito triste ver estes animaizinhos soltos pelas ruas de São Paulo sem rumo, à espera que alguém os encontre e traga-lhes um prato de comida, carinho e tudo mais. Acredito que, como este, deve existir outros por aí.
 
Confesso que eu e meu neto ficamos angustiados por um bom tempo.
E-mail: margaridaperamezza@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 03/01/2014

Nobre gesto o seu, Marga, realmente os cães abandoados pelas ruas causam tristeza em pessoas como vc, querida. Parabéns pelo gesto e pela escrita.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 27/12/2013

O animal Margarida, representa a carência afetiva da humanidade quando nos falta o essencial. E nos deixa tristes pela enorme desigualdade existente entre nos humanos.

Enviado por Clesio de Luca - clesiodeluca@yahoo.com.br
Publicado em 27/12/2013

Acredito que tenham ficado angustiados mesmo, minha querida Marga, mas vocês fizeram o que foi possível naquele momento. E não adianta: a gente não consegue resolver tudo o que aparece à nossa frente. Parabéns pela conduta de vocês, com sensibilidade e presença. Um beijo e um feliz ano novo.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 27/12/2013

PARABENS,pelo belo gesto humanitario de socorrer um pobre cachorrinho.

DEUS ESTA VENDO,

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 27/12/2013

É Margarida, não só aí em São Paulo isso acontece, tem muitos por aqui.

A pessoa vê que o bichinho dá trabalho e simplesmente, descarta como lixo.

Cães e gatos tem aos montes perambulando por aí.

Você e seu netinho tem bom coração, e isso vem da alma.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »