Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Represa de Guarapiranga: uma atração paulistana Autor(a): Carlos Fatorelli - Conheça esse autor
História publicada em 29/01/2014
A Represa de Guarapiranga está localizada na Bacia do alto Tietê, abrangendo a região sul-sudoeste da cidade de São Paulo. O reservatório de Guarapiranga foi construído para aumentar a geração de energia na usina de Parnaíba, no Rio Tietê.
 
A Light, uma empresa canadense, foi autorizada a operar e explorar a produção e distribuição de energia elétrica, além dos serviços de iluminação e transporte coletivo. Em 1899, a The São Paulo Tramway, Light & Power Company instalou-se na cidade de São Paulo.
 
No ano de 1906, a companhia decidiu construir na região de Santo Amaro, na época município, política e administrativamente independente de São Paulo, um lago artificial, que foi denominada de Represa de Santo Amaro; sendo depois da construção da Billings a ser chamada de Represa Velha e por último recebeu a denominação de Represa de Guarapiranga, nome derivado do tupi guarani e que significa “garça vermelha”. (onde estão as garças vermelhas, seriam flamingos?)
 
A Light seguiu com as obras por três anos sendo que o represamento teria capacidade para armazenar aproximadamente 200 milhões de metros cúbicos de água. Foi erguida a barragem do Rio Guarapiranga, afluente do Rio Pinheiros, para regularizar a vazão do Rio Tietê através do Rio Pinheiros, que se tornou um canal retificado de 27 quilômetros perdendo toda sua sinuosidade natural de 45 quilômetros.
 
Toda a bacia é formada por rios como Embu-Guaçu e Embu-Mirim, Rio das Lavras somado a ribeirões como o Ribeirão Itaim, Represa e Fazenda da Ilha, e os córregos Luzia, Itararé, Fundo, Piquiri, Itupu, Guavirutuba, São José, Bonito, Rio das Pedras, Tanquinho e Barro Branco, Casa Grande e pequenas artérias de abastecimento hídrico.
 
A Light percebeu o potencial recreativo da represa e tratou de melhor explorar a comunicação com o local, instalando linhas de bondes especiais para os visitantes, trazendo também areia de Santos; construiu pequenos Oasis de diversão para os fins de semana. Em 1927, a represa recebeu o aviador brasileiro João Ribeiro de Barros, que atravessou o Atlântico em seu hidroavião JAHU, que amerissou nas águas tranquilas da Guarapiranga, onde no atual Parque da Barragem (Capela do Socorro) há o monumento em homenagem aos aviadores, incluindo-se o comandante de outra aeronave, Francesco De Pinedo.
 
Em 1928, a Represa recebeu a incumbência de abastecer de água a capital paulista, fornecendo a média de 1 metro cúbico por segundo para a estação de tratamento de Teodoro Ramos.
 
O projeto de urbanização da região foi sendo implantado a partir de 1937, no empreendimento batizado com o nome de “Cidade Satélite Balneária de Interlagos”, situada entre dois lagos: o da Guarapiranga e o da Billings (Usina hidrelétrica Henry Borden-Cubatão, idealizada na década de 1930). Além disso, a península do Riviera passou a fazer parte da represa, onde antes havia a fazenda de 320 alqueires de Herculano de Freitas.
 
Em 1958, com a construção da estação de tratamento do Alto da Boa Vista, a Guarapiranga passou a fornecer 9,5 metros cúbicos por segundo, obrigando a elevação do seu nível de água.
 
Na década de 50, a represa de Guarapiranga possuía a atração do hidroavião SeaBee, da família Cukurs, que sobrevoava a represa em vista panorâmica, uma atração local que perdurou por muitos anos. Hoje há alguma atração turística feita por embarcações tipo escunas e que buscam a regulamentação para expansão turística local.
 
O sistema Guarapiranga atualmente corresponde a 20% da produção de água da Região Metropolitana de São Paulo atende às zonas Sul, Oeste e Centro, cujos mananciais produzem 10,3 metros cúbicos por segundo, recebendo o reforço do Sistema Taquacetuba, responsável pela transferência de 4 metros cúbicos por segundo de água bruta do reservatório Billings para a Represa Guarapiranga, aumentando deste modo a demanda.
 
No primeiro lago, há o passeio turístico que apresenta o Morro dos Eucaliptos, habitat natural de pequenos macacos e os morros Três Carecas ou também chamado de Três Marias, e onde também estão localizados clubes náuticos para a prática esportiva e que produziu atletas de renome internacional.
 
Na orla próximo a Avenida Atlântica, foram construídos parques para preservação ambiental como o Parque da Barragem, Praia de São Paulo, Castelo, Nove de Julho, São José, que complementa com o parque Ecológico Guarapiranga.
 
São Paulo e sua diversidade sempre surpreende com os seus 460 anos. Urge manter este santuário e sua preservação é vital!
 

 

E-mail: cafatorelli@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 03/02/2014

Amigo Fatorelli

Só precisa de parar as mortes na ESTIMADA GUARAPIRANGA e LIMPEZA,ainda falta informação aos "nadadores",será que um dia ficaremos tranquilos com a ESTIMADA,sempre repito meu amigo de infância morreu nessa reprêsa aos 14 anos,na Riviera,teve caimbras,passou a noite toda morto coberto por um lençol na margem,era filho único,isso há 46 anos!

Valeu"

Fatorelli

Enviado por Vilton Giglio - viltongiglio25@gmail.com
Publicado em 30/01/2014

Concordo mesmo, Carlos! a preservação é vital. O seu texto mostra muito conhecimento e a compreensão da necessidade dos cuidados ecológicos. Parabéns. Excelente texto. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 30/01/2014

Uma excelente aula de geografia e história contada por um profundo conhecedor da região de Sto. Amaro. Salpicada de datas num verdadeiro estilo progressivo, a narrativa tem o condão de espicaçar mais a vontade do leitor em saber dos acontecimentos que enriquecem os parágrafos nas passagens dos anos. Muito instrutivo e atraente este seu trabalho, Fatorelli. Parabéns.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 30/01/2014

Não sei o que ocorreu, meu comentário ficou incompleto.

Como um grande historiador,seu texto ficou excelente, bem diferente do que escrevi sobre a represa da minha cidade que nem sei o nome.

Parabéns.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 29/01/2014

Isso

Excelente.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 29/01/2014

Fatorelli - Morro de medo de água. As represas sempre tive longe delas. Mas essa represa faz parte da história da nossa Sampa querida. Sem ela Sampa não sobrevive em todos os aspectos. Forte Abraço ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 29/01/2014

Linda e um importante ponto turístico que deveria ser aproveitado e cuidado com carinho.Muitos esclarecimentos tem seu texto, gostei. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 29/01/2014

Eis aqui um atrativo para turismo sem grandes gastos, uma costa enorme de divertimentos e história, muitos parques, não há necessidade de fazer rolezinho e rolezão, basta andar, Santo Amaro e São Paulo, tem muita diversão para todos os gostos e gastos, parabéns Fatorelli, Estan. .

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »