Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias A periferia, o setor imobiliário e o "rolezinho" Autor(a): Carlos Fatorelli - Conheça esse autor
História publicada em 12/02/2014
Lucro e periferia.
 
Criaram-se interesses nas comunidades periféricas da região sul, naquilo que se tem de mais atrativo, ou algum recurso natural, uma atração de valor monetário, criando mecanismos em afastar para o mais longe possível com as infraestruturas dos investimentos de expansão imobiliária em direção ao que ainda é periferia; em nome das empreiteiras ávidas do lucro ao entorno da cidade, do subtendido como região de periferia e de interesses financeiros adquirindo a “mercadoria terra” por módicos valores extraídos dos “planos diretores” aos quais se tem acesso os interesses dominantes.
 
O que dantes eram residências que formavam pequenas vilas, expandem-se por sistemas sofisticados de muros vigiados, oficializando o que era pobre em algo de lucro, e por este motivo espalham suas garras bárbaras sobre o que um dia foi um bairro do operariado paulistano, subúrbio, com uma sutileza sem precedentes do poder do estado atrelado ao poder financeiro coniventes de seus interesses comuns.
 
O centro urbano velho desloca-se em espaços novos suburbanos e cresce vertiginosamente sobre o marginal periférico em nome da pujança e do crescimento, aglutinando áreas consideradas nobres, mandando às “favas” o que atrapalha o visual da modernidade neste momento contemporâneo.
 
A violência, fruto do descaso, precisa ser distanciada cada vez mais dos centros urbanos, que cresce vertiginosamente sem controle, reforçada pela marginalidade criada pelo sistema espúrio de governar das oligarquias que empurra a miséria para longe do poder para fora das estruturas urbanas.
 
O estado vive da inércia e de paliativo visual reformando praças, jardins, parques para servirem de modelo ao plano diretor da cidade patrocinado por vultosas somas do erário público que terão subsídios de verbas “intocáveis” do setor privado que ganham deste modo os privilégios com direito a desapropriação de áreas, desarticulando relações sociais, daquilo que um dia foi periferia por longa data e que agora não podem conviver e interagir no espaço de interesse imobiliário das estruturas de nova ordem empreendedora de outra realidade urbana; que demoliram e demolirão as antigas residências de um passado não muito distante e afastando cada vez mais um sistema de castas, que não podem estar mais onde antes estiveram, pois não possuem capital suficiente para manter o padrão de vida neste modelo de exclusão, perdendo deste modo o mínimo de dignidade, para uma arquitetura “higienista” e de um centro “revitalizado” por um novo estado de coisas que substitui o modelo antigo da cidade de São Paulo.
 
Assim cresce São Paulo, de forma desordenada, com um plano diretor que segue o organograma das empreiteiras e desse modo expandem suas garras na história paulistana do que outrora foram vilas operárias, onde “sentar nas calçadas para jogar conversa fora” fazia parte do cotidiano de nossos antepassados e hoje vemos a destruição de antigas residências e “apoderamento” de tantos lugares como Brás, Mooca, Tatuapé, Penha, Lapa, Bixiga, e tantos outros mais. E agora Santo Amaro, onde os tentáculos imobiliários sem escrúpulos apoderam-se e destroem parte de um passado glorioso de um bairro que nascia em volta de uma Igreja, e hoje crescem aranha-céus em volta de um shopping, local para um “rolê” de consumo!
 
E-mail: cafatorelli@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 20/02/2014

Carlos, os entendidos dizem que tudo faz parte do progresso, aquí no meu bairro também estão erguendo inúmeras torres de concreto e estamos ficando cada vez mais enjaulados, é uma pena, parabéns pelo texto, abraços, Nelinho.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 14/02/2014

Carlos, em 1997 um apartamento na Parada Inglesa, apartamento bom, custava cerca de R$ 50.000,00. Dias destes fiquei sabendo que o mesmo apartamento custa R$ 580.000,00. Aconteceu o mesmo com seu salário??????

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 14/02/2014

Fatorelli, boa parte central da minha Freguesia esta tombada, os Largos da Matriz velha e nova, estão do jeitinho que eram em 1910( as casas e a Igreja Matriz). parabéns pelo texto.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 13/02/2014

Carlos, como e difícil essa realidade! Infelizmente sou obrigada a concordar com tudo o que você relatou.... mas infelizmente. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 13/02/2014

Fatorelli, vc já imaginou o que será da população daqui a alguns anos, com relação a água, eletricidade, saúde e penitenciárias, com o aumento da violência, a falta de chuva, o calor escaldante, com aumento da população? que futuro incerto, se é que teremos futuro. Vc tem rasão, a despreocupação das construtoras com relação a ganância, é um caso de insanidade geral do poder público. Parabéns pela narrativa e pelas intenções, Carlos.

modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 12/02/2014

Qdo.a"CASA" cai para o lado deles então dizem : " A CASA CAIU",são presos,gastam o dinheiro da propina com muitas farras,carros,mulheres,viagens,dão entrevistas,são eleitos,e por ai vai....

Fatorelli,é o capitalismo puro e selvagem,depois mandam economizar água,dão descontos para quem usam menos,etc e tal.

È o apocalipse no mundo!!!!!!

Um abraço.

Enviado por Vilton Giglio - viltongiglio25@gmail.com
Publicado em 12/02/2014

Fatorelli,é isso mesmo e o pior é que conseguem moradores para todas as torres que constroem.Na Penha, destruíram o Ateneu e a casa das freiras e subiram os espigões. Um Abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 12/02/2014

Realidade nua e crua e contra esses fatos que vem ocorrendo não há argumento que justifique essa invasão desenfreada contra o passado de um bairro, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »