Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Passeando no parque Autor(a): Margarida Pedroso Peramezza - Conheça esse autor
História publicada em 12/02/2014
Gosto muito de andar no parque, o antigo Ceret, no bairro do Tatuapé. Vou logo cedo para aproveitar o frescor da manhã.
 
Ao caminhar, minha atenção é voltada para o canto dos pássaros, o cheiro de grama cortada e a beleza das frondosas árvores que sombreiam as pistas do parque. Para mim é um privilégio ter um lugar tão gostoso para andar, perto de casa.
 
Tudo é muito tranquilo logo cedo, mas com o passar das horas o canto dos pássaros vai ficando mais distante e aos poucos é substituído pelas vozes das pessoas que vão se aproximando para caminhar. Elas talvez não saibam ou não fazem ideia, mas conversam tão alto que não tem como não escutar pelo menos uma parte de suas conversas quando passam por mim.
 
Uma loucura. Já ouvi de tudo e assuntos dos mais variados acontecem entre as pessoas que andam neste parque. Por exemplo, conversa de alguém que estava chorando, do serviço de pedreiro que não acabava mais, do café da manhã, da morte de alguém, do trabalho, de roupas, de baladas e até da qualidade de vida de outros países. Na verdade acho tudo muito divertido, essa mistura de assuntos, e acabo concluindo que as pessoas fazem suas caminhadas e aproveitam também para fazer uma terapia com seus amigos. Eu particularmente acho muito bom ter alguém para conversar durante o trajeto, a atividade fica mais prazerosa e parece que o tempo passa mais rápido.
 
Outro dia, um dos rapazes que estava um pouco atrás de mim, falou para o outro se ele conhecia o Élcio, um baixinho. Disse que ele foi até o André e decretou sua prisão porque não estava pagando a pensão do filho, mas como estava perto do Natal não iria prendê-lo, mas marcou o dia e hora para efetuar a prisão, após as festas. Como não ouvi mais nada, deduzi que o fulano não iria ser preso nunca e ainda fiquei na dúvida se isso pode mesmo acontecer.
 
Mais uma volta e uma nova conversa me chamou a atenção. O pai estava embarcando com a família para passar o Natal em Nova York, mas ao checarem o seu passaporte foi decretada uma ordem de prisão. Este foi preso no ato, mas a família foi liberada para viajar. Só depois de um tempo ele veio saber o motivo da prisão, eram coisas pendentes no ministério da justiça. Um deles disse que é bom antes de viajar, verificar tudo para não ter surpresas na hora do embarque.
 
Acho muito engraçado andar neste parque porque chego ouvindo o canto dos passarinhos e saio com tantas histórias na cabeça. Motivo pelo qual me inspirou a escrever esse texto. De toda forma sempre é bom fazer caminhadas por lá, me faz bem e eu gosto. Muitas vezes tem atividades, com profissionais da medicina (medindo pressão e o diabetes) e os de educação física dando aulas de dança, alongamento e pilates. Tem também divertimento para as crianças no parquinho, na sala de leitura e na piscina, que por sinal é imensa.
 
Este parque tem seus encantos, mas não posso deixar de citar que muitas vezes sofremos com a falta de água nos bebedouros e nos banheiros que ficam muito sujos. Tem um filtro desativado, mas continua pendurado e todo cheio de lodo. Acho que neste sentido ele poderia ser mais bem cuidado, pois o bairro do Tatuapé merece ter um parque que atenda as nossas necessidades e seja bom para todos.
 
Ps.: enviei foto para acompanhar o texto, mas não deu certo.
 
E-mail: margaridaperamezza@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 20/02/2014

Margarida, eu também costumo caminhar pelo jardim do Museu do Ipiranga, nessas andanças encontro dezenas de pessoas conhecidas e posso ouvir o canto dos pássaros, são bons momentos, parabéns pelo texto, abraços, Nelinho.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 14/02/2014

Você chega ouvindo o canto dos pássaros e depois ouve o canto das pessoas.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 14/02/2014

Querida Margarida, Acho que o titulo dessa sua historia poderia ser Xereteando no Parque, (risos). Gostei muito e ri também pensando nesse novo titulo. (desculpe a brincadeira) Parabéns.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 13/02/2014

Maga, minha querida , é sempre muito bom te encontrar por aqui, com textos que provocam, chamam a atenção e retratam tão bem a cidade. Muito legal. Já me vi assim também, ouvindo casos. Você já percebeu que, nas caminhadas, as mais cheinhas gostam de trocar receitas? Principalmente receitas com leite condensado e creme de leite. Bem engordiet. Parabéns. Beijos.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 13/02/2014

Um apanhado de pequenos pingentes verbais que, na somatória, dá um belo e interessante texto. Quanto a conservação destes parques, é um problema totalmente burocrático. Parabéns, Peramezza.

modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 12/02/2014

Sabe que sempre fico contemplando as praças e como elas chegaram ao "status" de parque. Praça era um local aberto onde se encontravam amigos, enamorados, e gente a passear descontraído. Parque é todo local cercado e onde tudo é controlado e de "segurança". Parabéns pelo texto.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 12/02/2014

Estimada

Margarida

Para nós é mais fácil escrever sôbre o que funciona.

Bjos. no coração.

Enviado por Vilton Giglio - viltongiglio25@gmail.com
Publicado em 12/02/2014

Margarida, não conheço muito bem o Tatuapé, mas pelo que você descreveu este seria um parque fabuloso para os moradores desde que todas as intalações estevissem funcionando em perfeitas condições.

Beijos.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 12/02/2014

Margarida, o que voce conta é real, tenho essa experiencia, como ando rápido e sozinho, que acho melhor, pois cada um tem seu ritmo, ouço pouca coisa, pois ando rápido, também vou bem cedo até por causa da aglomeração e o frescor da manha, parabéns´pelo texto, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 12/02/2014

Legal Margarida - Também não consigo enviar as fotos. Na minha época vi a construção do Ceret. Como o tempo passa eim. Forte abraço ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »