Leia as Histórias

Categoria - São Paulo da cultura, gastronomia, lazer e oportunidades Sentimentos imortais Autor(a): Tereza Barreto - Conheça esse autor
História publicada em 18/02/2014
Seria a minha 1ª viagem à terra da garoa. Iria permanecer na cidade apenas 3 dias, mas com tantas dicas de lugares, com tantas paixões afloradas pela Av. Paulista, por exemplo, acabei ficando 30 dias! Detalhe: quando a grana dos 3 dias acabou, fui atrás de coisas gratuitas para se fazer e foi tão melhor ou bem melhor quanto se eu tivesse com a carteira cheia!
 
Visitei o Terraço Itália - conheci os chefes e tudo mais! Fui à Pinacoteca, ao MAM, ao Museu da Língua Portuguesa, Estação da Luz, Mirante do Banespa, Pátio do Colégio, Metrô São Bento, Catedral da Sé, Masp (lá assisti ao último concerto da temporada 2013 do Maestro Antônio Carlos Martins e fotografei com ele), Av. Paulista (pausa e suspiro...); não sou mais a mesma depois de passar e andar por ela!
 
E teve mais: fiz um tour gastronômico também: além do Terraço, fui ao Figueira do Roubayat, Restaurante O Mocotó, Forneria San Pablo, Galeria dos Pães, etc.
 
Visitei a Casa das Rosas, Galeria Homero Brito. Fui a vários Pubs (Trash 80's, ID: 340, Vaca Véia, All Black Irish Pub, fui ao Teatro do Fiesp assistir a Madrinha Embriagada - de Falabella (de graça!), andei por bairros, ruas, andei de metrô (“ah”, o metrô... acho que não sou normal, gostei do metrô. Apesar de demorar algumas horinhas para compreender a tal da baldeação), e olha que andava todos os dias! 
 
E por falar em andar, andava muito, todos os dias! Andava toda a Paulista todos os dias, em algum horário do dia. Mas tinha q andar todos os dias, era sagrado! E em cada andança pela Paulista ia me "perdendo" pelas ruas que me chamavam para ir por elas.
 
Então... Como em todo filme lindo (filme lindo = minha viagem a SP) tem seu momento de "terror": roubaram minha máquina fotográfica contendo 100% das minhas fotos, mas deixo bem claro: por um descuido meu. Não senti em momento algum medo de andar por SP, a cidade se mostrou bastante segura e acolhedora - o que me surpreendeu.
 
Poucas fotos que me restaram - minha sorte foi que no início da viagem fazia o backup para meu computador! Se eu fiquei triste? Nunca, jamais na galáxia, pois foi eu ficar sem câmara para fazer amizades com pessoas que tinham câmeras. E o que seria de mim se não tivessem levado embora minha máquina? Beijo no coração de quem a levou, pois foi a partir daí que meus dias em São Paulo ficaram muito mais interessantes e mágicos. Sem câmara e sem celular (levaram também o celular), pude sentir e aproveitar mais cada instante já que teria somente a memória como lembrança.
 
Provei o picolé de melão na Liberdade, comi doce até de feijão! Visitei a Livraria Cultura, amei, amei tanto....
 
E também passei mal. Pois é... De tanto andar por SP. Estava nesse dia no Shopping Paulista, lugar que sempre dava uma passadinha rápida pelo menos umas três vezes por semana. Aí, fui levada de cadeira de rodas pelo bombeiro e permaneci uns 30 minutos na enfermaria do estabelecimento. Diagnóstico: cansaço e desidratação. Mas até isso foi lindo! Pude conversar sobre a minha viagem com o bombeiro, pegar dicas de lugares para visitar com a enfermeira e com a médica durante os procedimentos clínicos.
 
Comi cachorro-quente, pizza, açaí, pães que eu adoro, frutas maravilhosas lá no Mercado Central! Comi o sanduíche de mortadela, o pastel, comi, eu comi! Fui ao Theatro Municipal, Rua 25 de Março, Oscar Freire, eu fui, eu fui!
 
Foi isso, mas não apenas isso. Tentei ser, digamos, "prática" para descrever essas emoções que chamamos de "passeios", viagens. Depois de São Paulo não sou mais a mesma, definitivamente. Conheci e vivi em uma das cidades mais mágicas do mundo!
 
Andei, andei, respirei SP de várias formas. Meus pés calejaram, ardiam, tinham feridinhas, mas não dava tempo de doer, pois "ainda tinha aquele lugar para ir". E descobri que muitos paulistanos não conhecem SP. Algumas vezes tive que dar dicas de lugares para visitar para quem já morava lá ou ainda acompanhar moradores nas visitas a lugares que muitas vezes estavam tão pertinho de suas casas ou do trabalho, que eu ouvia comentários do tipo: “nossa, vivo aqui há mais de trinta anos e esta é a primeira vez que visito este lugar!”.
 
Aqui em minha cidade, Aracaju, se você andar muito e não encontrar o seu destino é porque você simplesmente se perdeu. Em São Paulo certamente você ainda não chegou lá! E essa sensação de andar, andar e "ainda não chegar lá" é maravilhosa! Aprendi com as distâncias que SP tem, que tão legal quanto chegar ao lugar é todo o percurso até ele!
 
E como terminar por aqui? De que forma? O que mais escrevo? O que mais penso? As emoções ainda fluem, fluirão para sempre. Sou uma mortal com sentimentos imortais por São Paulo.
 
E-mail: tereza.raquel.barreto@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 20/02/2014

Tereza, veja que eu mesmo que moro em São Paulo a 78 anos tomei conhecimento de lugares que você visitou e eu não conheço! pena que você não visitou o Museu do Ipiranga aquí no meu bairro, quem sabe você venha na próxima visita, parabéns pelo texto, Nelinho.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 19/02/2014

Tereza!

Parabéns, você veio para conhecer São Paulo e com certeza aprovetou cada momento, não se abalou com o ocorrido, pois se tem uma coisa que ninguém lhe poderá roubar, são suas memórias muito bem vividas.

Confesso que conheço muito pouco de SP depois de tudo que você descreveu.

Muito bom o seu texto desperta em nós paulistanos o desejo de conhecer mais, mais, mais.

Beijos.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 19/02/2014

Tereza, que passeio bom você fez aqui em São Paulo, espero que volte mais vezes.Parabéns pelo texto.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 19/02/2014

Tereza, muitas vezes você ai para ir a um lugar e acaba não indo, porque no caminho encontra tanta coisa que esquece o que ia fazer.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 19/02/2014

Sentir emoções em São Paulo fazem parte desta Megalópolis que cresce a cada dia, nunca pára. Já fostes "batizada" também, ninguém escapa de ser furtado!!!Registrastes muito bem e deves ter muitas histórias para contar desta "aventura" paulistana. Parabéns.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 18/02/2014

Que maravilha de homenagem a nossa cidade, Raquel, seus parágrafos emocionam, quem os lê, devoram seu texto de uma só "garfada", de tão gostoso que ele está. Sua bela escrita supera, em entusiasmo, a mais doce das suas intenções. Quanta sinceridade numa narrativa incrível, Tereza, a descrição de seus passeios pela nossa metrópole, detalhando momentos e lances bem descritos, enriquecem no total, sua perfeita ode.

Parabeniza-la seria o mínimo que eu te poderia oferecer. Além de tudo, querida Barreto (permita-me), vc escreve muito bem. Portanto, parabéns.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 18/02/2014

Tereza, que passeio, e realmente tem lugar que voce citou que eu não conheço, mas eu estava lendo seu texto e admirando, que bonito, que gostoso e ao mesmo tempo pensei , e ela não foi assaltada, de repente aparecea frase fatal, fui assaltada, celular e maquina, advinhei, não fique triste mesmo, voce foi a milionésima a ter esse tipo de assalto naquele mes, parabéns,Estan

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 18/02/2014

Meus Deus Tereza! Você quer matar esse velho paulistano de emoção, com toda essa montanha de elogios à nossa querida Terra da garoa, estou todo inchado de vaidades e cheio de alegria, pois você falou de tudo que eu também sinto sobre São Paulo, você pode ser sergipana, mas por certo tem alguma coisa de paulistana dentro de você. Parabéns pelo texto, e lamento pelo furto de sua câmera fotográfica e seu celular.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 18/02/2014

Tereza - Se você gostou de Sampa e tenha vindo já na era do computador gostando tanto como você menciona, imagine ter vindo na nossa época da garoa. Você teria se apaixonado e teria ficado por aqui. Forte abraço...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 18/02/2014

LINDO!!LINDO!!LINDO!!! Muito bem vinda Tereza, voce imortalizou este site com esta sua narrativa de 30 dias em São Paulo e arrazou!!!me senti tão pequena diante da grandiosidade da sua coragem e resignação de ser furtada do seu tesouro e ver nisso um jeito de continuar sua jornada partilhando fotos com outras pessoas que deviam ser tão cheias de vida e grandiosas como voce.Não imagino onde ficou estes dias,mas alguém como voce eu hospedaria em minha casa com imenso prazer apenas para mostrar aos meus filhos e netas um exemplo vivo de alguém que tem a sua coragem para transformar sonhos em realidade...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »