Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Nostalgias – Parte II Autor(a): Modesto Laruccia - Conheça esse autor
História publicada em 24/02/2014
De mãos dadas com minha mãe, iniciamos um ligeiro passeio. Ligeiro na concepção do tempo corrido na época... Hoje, com a nostalgia que esse momento me atinge, não foi nem simples nem tão rápido assim... Para minha querida mãe, a alegria muito, muito, mas muito natural para uma dona de casa muito esperta, zelosa, concisa em seus deveres de administradora de um lar com nove filhos, onde seu cansaço só se manifestaria nos últimos anos de vida... Doenças, então, ela não tinha tempo para estas coisas. Me digam vocês, queridas leitoras, que mulher, no mundo de ontem, de hoje e de amanhã, que não sentem, por pequeno que seja, um prazer em ir às compras, mesmo que não seja nada para ela?
 
Ex-tecelã, operária da fábrica de tecidos Matarazzo, localizada em frente a nossa casa, cuja estrutura de alvenaria se mantém até hoje, ocupando um quarteirão quase completo, flanqueada pelas ruas Fernandes Silva, Monsenhor Andrade, Assumpção e da Alfândega. Minha mãe trabalhou em tempo integral, em uma época de exploração férrea do operariado, sem as benesses de uma CLT a ser aplicada. Felícia sai com seu filho Modesto, dez anos, sétimo de uma prole de nove, da Rua da Alfândega, 197, no Brás, atinge a Rua do Gasômetro com a única preocupação sobre o que irá comprar.
 
O garoto Modesto vai olhando os edifícios da Rua do Gasômetro, gravando na memória, casa por casa, sobradões, um palacete encimando o antigo cinema Glória, com seus três arcos na entrada. Passando pelo palacete na esquina da Rua do Lucas, um pouco mais adiante, à esquerda, os muros facilmente identificáveis do gasômetro (muros que se mantêm em pé até hoje) onde eram despejados o carvão “coke”, trazidos pelo trenzinho liliputiano que vinha da estação do Pari, depois de passar por toda a Rua Sta. Rosa. O carvão coke, vindo da Inglaterra, era utilizado na transformação em gás. Nos portões escancarados pela entrada do “trenzinho”, a mamãe Felícia parava, um pouco, para o Tistininho (apelido do Modesto) poder apreciar a operação. A poesia inebriante estava no despejo do carvão do vagão, nas caldeiras fumegantes. Seguro nos trilhos, depois do desengate, o vagão, em uma posição estratégica, era entornado nas caldeiras, o que deixava o Modesto de boca aberta, retendo o andar de sua mãe, tal atração que a manobra exercia sobre ele. Era, realmente, um brinquedo encantador.
 
Essas informações eram armazenadas na memória do garoto, cheio de fantasias, vislumbrava invasões de foguetes interplanetários que, de imediato, sairiam dos fornos, movidos por retropropulsoras em busca do inimigo, no planeta Mong, reduto do vilão, Ming, desafeto do Flash Gordon. Para sua decepção, no meio de uma fumaceira estonteante, saia um homem, baixinho, de macacão, todo tingido do negro carvão, o rosto totalmente carvoeiro, onde só o branco dos olhos e dos dentes brilhavam na negritude do perfil. Mamãe Felícia, satisfazendo a curiosidade do garoto, puxava-o pelas mãos, pois, por vontade dele, ficariam ali, a manhã toda.
 
Seguindo em frente, atravessando a Rua das Figueiras, sempre na Gasômetro, a sua direita, contra um céu azul, límpido e prazeroso, erguido no início do século XX, o majestoso Palácio das Indústrias, construção exótica em estilo mourisca\ toscana, com vários, pequenos e médios monumentos, relevos motivados por cenas do desenvolvimento da indústria paulista. A entrada do palácio, a sua esquerda, um espelho d’água, com peixinhos coloridos, ladeados por monumentos alegóricos, uma alegria para os olhos dos que por ali passam.
 
Em frente às escadarias de entrada do Palácio, distando 70 a 100 metros, com corte da Rua do Gasômetro, separando as duas unidades, deslumbra-se o bucólico e verdejante Parque D. Pedro II, reduto dos passeios, lazeres, piqueniques, namoricos, futebol, crianças de todos os bairros circunvizinhos do nosso querido Brás. Quanta paz, quietude, tranquilidade, harmonia, cuja única violência que perigava na área era os galhos das palmeiras que, vez ou outra, despencavam nas alamedas arborizadas do nobre reduto. A visão do horizonte paulistano descortinava-se no perfil majestoso do primeiro e maior edifício do Brasil, o Prédio Martinelli.
 
Bem na entrada do parque, imponente e belo monumento enaltecendo o 1º Centenário da Independência do Brasil, em 1922, homenagem da colônia libanesa. Extraordinário trabalho artístico, com motivos da formação das primeiras levas da riquíssima colônia libanesa. (Esse monumento encontra-se na entrada da Rua 25 de Março, visual muito mais atraente do que um hot dog e o bucolismo do saudoso P. Dom Pedro II terminou quando o mesmo se transformou em canteiro de obras de outro grande progresso: o metrô).
 
No caminho para a Rua Gal. Carneiro, ou Ladeira Gal. Carneiro, como queiram, onde nosso destino era a Joalheria Casa Pastore, a Confiança, ao Empório Toscano e outras lojas de roupas brancas.
 
Todos estes trechos percorridos, como falei no início, resgatados, não na sua totalidade, porém nos principais tópicos, são recordados com ternura e devoção. Áreas que hoje, inconcebíveis de se permitir a existência de tais situações, são lenitivos, não saudosos, dos tempos que passam sem nos alentar da rispidez e rapidez da passagem dos anos.
 

 

E-mail: modesto.laruccia@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 03/03/2014

Modestos, quantos momentos inesquecíveis você passou com sua mãe. Eles ficaram registrados em sua memoria e hoje com toda sua sensibilidade de um filhos amoroso, divide conosco os cantos da cidade de outrora.Muito bonito!Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 25/02/2014

Modesto vc é o historiador nato, pasmei de ler sua crônica que nos faz voar e sonhar. Até o prédio da Francisco Matarazzo que você citou onde no início, estive lá bem na frente com um anuncio de emprego na mão. Parei, olhei e pensei frente a opulência. Isso aqui não é pra mim e fui-me embora, sem antes dar uma boa olhada na recepção daquele prédio.

Enviado por Clesio de Luca - clesiodeluca@yahoo.com.br
Publicado em 25/02/2014

Meu querido Modesto, nesse texto o sr. se superou. Magníficas memórias e pude ter o privilégio de passear junto com o sr. e dona Felícia, admirando os espaços,as construções e o enorme sentimentalismo que o sr. soube esbanjar, com requinte, seriedade e juventude. Vou reler e indicar para pessoas especiais e interessantes, como o meu querido amigo Modesto. Parabéns mil. Um abraço. P.S. Espero ardentemente que o seu filho esteja melhor de saúde. Que a recuperação seja rápida.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 25/02/2014

Modesto, voce parece um GPS retroativo, um trajeto de memórias de locais impressionante que guarda muitas saudades, parabéns,Estan

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 25/02/2014

Sabe Modesto... quando leio o que você escreve, parece que estou vivendo no seu espaço. Grande o sabor da sua leitura.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 25/02/2014

Muito lindas recordações...feliz de nós que a temos tão vivas e saudosas...Lembrar nossa mãe nos dá um aperto no coração,mas ao mesmo tempo uma nuvem de gratidão e saudade paira sobre nós...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 25/02/2014

CARO AMIGO MODESTO, espero que o seu filho melhore rapidamente,

quero agradeçer o seu comentario sobre o meu texto,

pareçe que voce ficou chateado com a verdade que o nosso pais esta passando, mas enfim nao podemos fazer nada,a nao ser rezar.a realidade e muito triste,

nao podemos fugir do que esta acontecendo, se a maioria dos amigos escrevesse uns textos sobre a sintuaçao do pais, e textos sobre a vida

o nosso site seria muito melhor.

enfim e triste començar a ver depois dos 50 anos, e sinal que nao viveu e aproveitou a vida, agora parabens pelo seu texto sobre a nostalgia,ela faz parte das nossas vidas,

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 24/02/2014

Essas recordações são vivas lembranças de uma criança feliz ao lado de sua mãe que lhe mostrava com orgulho e com a vontade de uma grande mestra que tinha o prazer em ensinar os filhos. Fora isso, mostra com primor a história local de imigrantes que desenvolveram a cidade de São Paulo, em especial os arredores do Brás, o Gasômetro, onde esta a Casa da Retorta e foi depois um dia centro da infância e adolescência, e, a baixada do Carmo com o Palácio das Indústrias, onde inclusive foi setor da policia federal e onde tirei o meu passaporte na década de 1970. Parabéns pelas belas lembranças e de muita saudade carregada nas palavras.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 24/02/2014

Belo texto feito de doces lembranças de um menino, acompanhando a sua mãepelas ruas da cidade.

Observando curioso e gravando, indelevelmente na sua memória.

Parabéns.

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 24/02/2014

Sr.Modesto, meu comentário:BRAVO.

Enviado por Marisa - marisafrediani@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »