Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias O poder da inspiração Autor(a): Roberto Capuano - Conheça esse autor
História publicada em 17/04/2014
Quando estava cursando o 1º ano Colegial (atual Ensino Médio) no extinto Colégio Alfredo Puca, situado na época na Rua Beneficência Portuguesa, no centro da cidade, certa vez o professor da matéria de Português, ao término de uma aula, alertou os alunos que na aula seguinte haveria uma prova valendo nota para o mês em curso, que estava por terminar.
 
Ao entrar na classe na data prevista, o professor logo foi dizendo: 
“- Conforme havia dito na aula anterior, vamos fazer uma provinha valendo para a nota do mês". 
 
Continuando, diz: 
“- Hoje, vamos inovar. A prova consiste em escrever uma pequena história em torno de 10 ou 15 linhas de assunto livre, o que vier na imaginação". 
 
Em seguida, distribui a cada um uma folha de papel timbrado onde constavam dados para a qualificação dos alunos, orientando ainda para fazerem primeiro um rascunho em um caderno e depois de pronto passar para a folha distribuída. Para mim, e tenho certeza que para todos, foi uma surpresa, pois esperávamos uma prova sobre gramática.
 
Com um caderno sobre a carteira, uma caneta na mão direita e a mão esquerda na cabeça, comecei a pensar. Pensava, pensava, pensava e nada, nenhuma lembrança. Passaram-se 5, 10, 15 minutos e nenhuma ideia surgia. Comecei a ficar preocupado. Olhava para um lado e via colegas escrevendo. Olhava para outro, também colegas escrevendo. Nessa altura imaginava que teria de entregar a prova em branco. Talvez próximo de 20 minutos buscando motivação, comecei a dirigir meus pensamentos para o período da infância. Lembrei com saudades dos momentos onde brincava feliz com meus coleguinhas da época na rua onde morava ainda sem asfalto e de chão batido, que propiciava várias brincadeiras infantis como pião, malha, bolinhas, entre outras.
 
Quando me lembrei desse período, subitamente surgiu uma inspiração poética. Peguei o caderno e comecei escrever e em cerca de 15 minutos saiu o que segue:
 
Meus oito anos
 
Como foi bela essa idade
Que me traz tanta saudade
Quando ponho-me a pensar
Pensando bem devagar
Naquelas brincadeirinhas
Malha, pião, bolinhas
E tantas outras coisinhas
Que nem dá para relatar
Saudades, muitas saudades
Eu sinto daquela idade
Que nunca mais vai voltar.
 
Surpreso, pois instantes antes havia pensado em entregar a prova em branco e depois de transferir "Meus oito anos" para a respectiva folha, fui o 3º aluno a entregar a prova, um tanto ressabiado por não imaginar qual seria a interpretação do professor ao ler a pequena poesia.
 
Na aula seguinte, o professor inicia fazendo pequenos comentários sobre as provas. Esclarece que a maioria esteve entre regular e bom, com notas de 6 e 7, respectivamente. Um pequeno grupo de alunos, apresentando compreensíveis dificuldades, não conseguiu dar sentido às poucas linhas que escreveram, mas pelo inusitado da prova todos ficaram com a nota 5. Apenas um obteve a nota maior: 8. Foi o aluno Roberto Capuano que escreveu uma pequena poesia.
 
Diante desse surpreendente resultado, ficou marcado em minha mente o irrefutável "poder da inspiração" que pode ocorrer com qualquer pessoa e em qualquer situação da vida.
 
E-mail: robertocapuano@grafixdigital.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 24/04/2014

Viu só, Capuano? Viu? Lindíssima experiência e poesia bem escrita, com o coração. Parabéns para o professor, para você, que não deixou a peteca cair. Continue assim, estamos sempre te esperando, Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 22/04/2014

Capuano, entendo o seu desespero pois a prova foi muito diferente daquilo que você esperava mas serviu para despertar a sua criatividade em forma de poesia, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 22/04/2014

Capuano, inspiração é para poucos, por isso voce escreve aqui nesse espaço, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 22/04/2014

Capuano, a inspiração vem sempre depois de longa exaustão. Sem sufoco não se chega a nada. Vc não abandonou até os últimos minutos e foi premiado, pela persistência e pela vontade. Parabéns, Roberto.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 21/04/2014

Roberto, com certeza.Certa vez, no ginásio, também escrevi uma redação sobre a lua que acabou resultando em um texto poético. Conclusão, fui a unica atirar a nota máxima e com todos os elogios do professor, que a leu para toda classe,me deixou tremendamente ruborizada.Acontece....rsrsr. Lindo seus oito anos.Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 18/04/2014

Pois é né Roberto. De repente não mais que de repente.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 18/04/2014

Capuano, eu acho que a inspiração é tudo na vida da gente. Até Deus precisou de muita inspiração para criar tudo o que existe do nada. Parabéns.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »