Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares O Grupo de Madeira do Jardim São Luiz e a Cartilha Caminho Suave Autor(a): Carlos Fatorelli - Conheça esse autor
História publicada em 30/04/2014
Hoje, existem suntuosos prédios em São Paulo que denotam ser ali um centro de saber de excelência em conhecimento, afinal, o Brasil só conseguirá sair de seu marasmo educacional através do fomento de alto nível para suas próprias necessidades de transformação. Não sabemos dizer se é o pensamento dos governantes que o país venha emergir e acordar de seu “berço esplendido” e desperte para um novo porvir, ou pretende-se usar todo um discurso de submissão política para melhor controlar a população.
 
Não sei ao certo se houve uma qualidade inferior ou superior em determinada época, mas sei dizer que uma escola era respeitada como se fosse um templo, independente de sua construção suntuosa ou não, e os mestres eram reverenciados onde estivessem.
 
O uniforme não era dado pelo governo e todos iam asseados de camisa branca de algodão e calça azul marinho. Sapatos eram artigos de luxo e muitos usavam calçados rústicos da Alpargatas Roda quando podiam, ou um “roto” chinelo de um solado fraco.
 
O bairro possuía somente o “Grupo Escolar Jardim São Luiz”, onde se estudava até atingir o quarto ano primário (hoje seria o primeiro estágio do curso fundamental) e era construído todo em madeira bem emparelhada, feitos em galpões separados em meninas e meninos, mas a qualidade educacional era a mesma para ambos, pois todos começavam pelo básico da Cartilha Caminho Suave!
 
A sala era bem iluminada voltada para a posição do nascente e poente do sol, pois não se usava tanta energia elétrica como atualmente, onde até se dão ao luxo de deixarem salas vazias com lâmpadas acesas. O assoalho era todo em madeira e tinha que se que andar devagar para fazer pouco ou nenhum barulho e as carteiras eram feitas para se sentarem dois alunos em cada uma, sendo que no meio da carteira estava um tinteiro para encher canetas com um azul fortíssimo e que em alguma ocasião acontecia o “desastre” de ser derramado sobre nossos pertences estudantis.
 
Aprendíamos para não sermos deixados para trás por alguma reprovação anual, pois não havia “aprovação automática” sem aprender toda a tabuada e ter o conhecimento geral reconhecido em alguma “sabatina”. Os trabalhos eram entregues “escritos na raça” com letra cursiva aprimorada no caderno de caligrafia. Hoje há a internet e muita informação, os trabalhos podem ser entregues impressos copiando através do control C e control V!
 
Éramos iguais no saber transmitido e “só tínhamos formação”!
 
O antigo grupo escolar atualmente é a escola fundamental denominada “Escola Estadual Marechal Eurico Gaspar Dutra” e está localizado na Rua Hipólito Cordeiro, sem número, no Bairro Jardim São Luiz, região de Santo Amaro, São Paulo e conta com uma estrutura educacional moderna.
 

 

E-mail: cafatorelli@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 06/05/2014

Nessa época aqui em nossa região creio que só havia essa escola de madeira e a do Prof. Renato Braga na V. das Belezas de 1954, também de madeira, dois galpões longos , inclusive os banheiros eram de madeira com a fossa embaixo do vaso sanitario, bons e velhos tempos,parabéns pela recordação,Estan

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 06/05/2014

Velhos e bons tempos onde a nossa única obrgação era aprender para ser promovido à série seguinte. Hoje há tanta informação, de maneira tão fácil que ninguém dá valor.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 06/05/2014

a minha primeira escola primaria foi a saudosa escola 7 de setembro

que ficava na al da santos, x bela cintra da saudosa professora dona

LILIAN MASTRANGELI, lindos tempos.

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 05/05/2014

Só posso dizer quanta saudade...saudade do grupo escolar onde estudei em 1957 na Vila Nivi na rua Baltazar de Morais,que era apenas um galpão de madeira com quatro salas em cima de seis pilastras de cimento,pois o lugar era desnivelado e que hoje é apenas uma pequena praça...saudades da minha primeira professôra dona Myrtes O.Vega e da dona Mitiko das quais eu nunca esqueci...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 05/05/2014

De fato, a suntuosidade de alguns edifícios escolares, outrora eram, verdadeiros palácios do saber. Deveriam continuar nesse grau de sabedoria mas, parece que a preocupação das autoridades é simplesmente, nivelar o saber... por baixo. já que o povo tem dificuldade em alcançar a nata da sabedoria, vamos trazer os que estão num nível superior a um estágio adequado com a grande massa, dificultando sobremaneira seu progresso.

Sua exposição sobre as construções das escolas primárias, Carlos, é bem minuciosa e muito bem redigida. Parabéns, Fatorelli.

Laruccia

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 04/05/2014

Carlos, realmente o ensino primário de antigamente era bem melhor, havia mais respeito aos professores, hoje mudou muito, parabéns pelo seu texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 02/05/2014

Caminho Suave, foi o melhor instrumento para se alfabetizar alguém, que jamais outro igual foi criado.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 30/04/2014

Carlos,com todas as limitações do tempo, éramos muito felizes, pois, como você acertadamente disse, a escola era um tempo. E,como tal, merecia respeito, admiração. Foi, para mim, uma época de ouro o curso primário, pois comecei a ler o mundo e isso é fascinante. Parabéns pelo texto e um grande abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 30/04/2014

Fatorelli, a escola antiga era seletiva, nem todos tinham acesso e muitos ficavam fora dela. Com nova lei, a escola se abriu para todos, mas não se preparou para receber todos que tinham direito.Nem na parte física e muito menos no pedagógico. As tentativas foram muitas, mas com pouco sucesso. Ainda tentam proporcionar melhorias, mas o investimento é pouco. Hoje em dia, os alunos recebem, material, uniforme, leite, merendas, e até perua escolar se necessário.Bons tempos do Grupo Escolar, um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »