Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares De novo, lembranças da Vila Nova Conceição Autor(a): Alcione Godoy Pires - Conheça esse autor
História publicada em 16/04/2014
Neste segundo relato, permitam-me dirigir-me particularmente ao Roberto Capuano.
 
Com certeza conheci a Livraria e Papelaria Martim Francisco, do Sr. Domingos e da Donana, e com certeza lembro-me de você também, Roberto. Aliás, quando fui começar o primeiro ano primário no Martim Francisco, minha mãe, Dona Neusa, levou-me para comprar os primeiros cadernos. Brochura, é claro.
 
E havia diversas estampas nas capas frontais, porque no final era sempre o mapa do Brasil. E eu escolhi o caderno com o brasão do Corinthians, que me atraiu pelas cores e componentes (âncora, remos, salva-vidas, bandeira paulista) e a partir desse dia tornei-me corintiano, para alegria de minha mãe, também corintiana. Meu pai, Sr.Alceu, torcia para o Ypiranga, vejam só
 
Mas a papelaria tem uma presença indelével em toda a minha memória, afinal, foram anos e anos visitando-os, tanto de um lado da avenida como depois do outro lado, ao lado do boliche. Acompanhou minha vida escolar até o final do segundo grau.
 
Agora voltando à Vila Nova Conceição, vamos citar que a Rua Clodomiro Amazonas era a Rua da Ponte, porque era a única asfaltada com ponte para cruzar o córrego do Sapateiro (hoje Av. Juscelino Kubitschek). A Rua Desembargador Aguiar Valim (ao lado do Hospital São Luiz) era a Rua Nova, porque foi a primeira travessa descendo da Av. Santo Amaro asfaltada, uma delícia para nossos carrinhos de rolimã.
 
A atual Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues recebeu esse nome em homenagem ao fundador e benemérito médico do Hospital São Luiz.
 
Do outro lado da avenida, elevou-se o conjunto CNI, lindo, está lá até hoje. E nele havia o Dr. Serafim P. Duran, nosso pediatra. Seguindo nessa corrente médica, mais adiante, no sentido bairro, havia outro conjunto de prédios, inclusive com a papelaria Tucano, e tínhamos lá o Dr. Leonam Luiz de Souza Goes (agora consultando na Rua Afonso Brás), nosso dentista, quase defronte à Endoquímica, depois Mead Johnson. Havia a Sapataria São Jorge, o Bazar da Dona Olga (ainda lá) e mais uma dezena de lindas lembranças, que escreverei no próximo relato. Obrigado a todos os que leram, vou responder a cada um. Abraços.
 
E-mail: alcionegpires@ig.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 21/04/2014

Como é bom recordar o bairro em que vivemos. Fui conhecer estes lados, por que minha irmã foi morar bem peto dessa região. Depois meu marido foi trabalhar na Rua Casa do Ator, na faculdade.Hoje ainda passo por aí toda vez que vou na minha dermatologista, na Dr. Alceu. Um belo bairro e gosto muito.Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 18/04/2014

Alcione, parabéns pelo seu texto e pelo seu bom gosto. Vai Corinthians.

Enviado por Marcos Aurelio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 16/04/2014

Alcione, conheci esse bairro na década de 50, mudou muito! tive até uma namorada que morava na Domingos Leme, bons tempos! parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 16/04/2014

Alcione, meus agradecimentos pelas suas considerações com relação ao meu comentário referente a sua história "Vila Nova Conceição" postado em 11/04/14. Causou-me curiosidade o fato de indiretamente ter sido o responsável por torna-se corintiano ao escolher um caderno de brochura com o brasão do Corinthians. Certamente na época não havia na papelaria nenhuma brochura com o brasão do Palmeiras. Que pena! (risos). Brincadeiras a parte, mais uma vez obrigado e continue escrevendo. - Abraços - Roberto

Enviado por Roberto Capuano - robertocapuano@grafixdigital.com.br
Publicado em 16/04/2014

Alcione,estudei no Martim Francisco,comprei na Papelaria MF,assisti missas na Igreja S.Dimas,filmes no cine Guarujá,pena que vc. não soube escolher o time e é sofredora até hoje,(espero que não seja de torcida organizada do vai curintiá,ahahaha!!!!!!!!). Só tive alegrias e felicidades nessa região,tem "as minas",bem essa é para outro texto seu.

Um abraço.

Enviado por Vilton Giglio - viltongiglio25@gmail.com
Publicado em 16/04/2014

Fico muito feliz quando pessoas do site falam dos mesmos lugares da sua infância ou juventude...falam a mesma língua da saudade e revivem o que foi tão importante no passado e que aos poucos foi mudando e se transformando em outra história...O progresso tomou conta de tudo,e quando a gente pode falar com alguém que também conheceu a escola,a livraria,a padaria,a sapataria,o mercadinho e as pessoas...que sentimento gostoso de recordação envolve a gente. Aconteceu comigo neste site e agora com voces Roberto Capuano e Alcione fiquei muito feliz!!!

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 16/04/2014

Moramos na Rua Jacques Felix e no terreno do CNI era um campo de futebol, oposto a outra esquina está(ainda) o Martim Francisco e a São Dimas.Acredito que a Endoquímica seja o local da FMU atualmente, na Afonso Brás com a Santo Amaro.Parabéns pelo texto.

Vide crônica:

Assim Nascem os Bairros em São Paulo: Deslocamento Desordenado das Massas

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com.br/2012/06/assim-nascem-os-bairros-em-sao-paulo.html

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »