Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Boemia, honestidade e caráter Autor(a): João Cláudio Capasso - Conheça esse autor
História publicada em 29/04/2014
Sim, é verdade, eu tive uma mocidade maravilhosa, fui um dos maiores boêmios de são Paulo. Nasci na Rua da Consolação, nos Jardins, em São Paulo.
 
Sempre trabalhei durante toda a semana, no fim de semana eu ia para a boemia; frequentei por mais de vinte anos a noite em São Paulo. Nunca fui viciado em drogas (tanto e que eu nunca fumei), levava sempre dois maços, de cigarros para oferecer para as garotas das boates.
 
Tive um amigo que casou na Igreja da Consolação, com uma garota da boate La Vien Rose. Infelizmente, o casamento durou pouco mais de dois anos. 
 
Nunca briguei na noite em São Paulo, andava em lugares perigosos, onde tinha muitos marginais e cafetões; conheci os bandidos, Quizinho, Hiroito, Bagda, etc., sempre respeitando as garotas e os cafetões, bebia moderadamente, sabia frequentar a noite em São Paulo.
 
Conheci os cantores Vic Damone, Eartha Kitt, Gregorio Barrios, Hugo Del Carril, Nelson Gonçalves, Agnaldo Rayol, etc. e muitos outros artistas. Fui um boêmio muito romântico, amante de todas as mulheres.
 
Frequentei por muitos anos os clubes Piratininga, Holmes Casa de Portugal, etc. Nunca fui desonesto com ninguém na noite em são Paulo. Fui amigo do investigador Garita, um dos donos do som de cristal.
 
Mais tarde ele montou a famosa casa de samba Garitao, era uma época maravilhosa sem a violência de hoje, a madrugada era uma festa, as ruas com muitas pessoas passeando e paquerando.
 
Sinto uma saudade dos tempos da boemia, mas sinto um orgulho de ter sido um boêmio honesto e com caráter de um verdadeiro homem. Sempre vivendo a boemia, nunca a vida dos outros. Fui muito feliz.
 
E-mail: jccapasso2@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 04/05/2014

Capasso, me permita pegar uma "carona" e te acompanhar no seu saudoso relato, também sou daquele tempo, Avenida Danças, Maravilhoso e nunca briguei com ninguém, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 03/05/2014

Parabéns Capasso por mais texto recordando as noites paulistanas do nosso ainda recente passado. Abraços.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 30/04/2014

CARO ALMIR.eu vi varias vezes o hiroito estava sempre armado com 2 revolveres, ele não brigava na mao com ninguém era muito franzino,

ele so resolvia as confusões na bala. Zenaide não conheci,

AGORA O QUINZINHO ESSE SIM ERA VALENTE, brigava com vários policiais o mesmo tempo e batia em todos.

morreu atropelado na rua aurora,

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 30/04/2014

Sr. Capasso, gostaria de pedir que o sr. escrevesse algumas histórias sobre esses personagens marginais dos anos 60 como Hiroito e Quinzinho.

Li o livro do Hiroito e tenho curiosidade.

Será que alguns personagens que conviveram com ele ainda estão vivos, como o a Zenaide, que era sua amante ?

Enviado por Almir . - almir1960@hotmail.com
Publicado em 30/04/2014

Estar consciente de nossos atos sempre nos faz viver melhor com aquilo que nos cerca no dia a dia.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 30/04/2014

Vc tem razão, João, devemos fugir do "falso moralismo" e garantirmo-nos na plenitude de nossas atividades em nossa juventude boêmia. Se não falarmos por nós, quem o fará? Parabéns, Capasso.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »