Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Santo Amaro e seus personagens 3 - Isaias Branco de Araujo Autor(a): Estanislau Rybczynski - Conheça esse autor
História publicada em 30/04/2014
Isaias Branco de Araujo nasceu no bairro de Capela do Socorro, em 13 de janeiro de 1879, filho de Pedro Branco de Araujo e Rosa Branco de Moraes; nasceu em um velho casarão ao lado da capela de Santa Rita, na Rua Manoel Preto, hoje Av. Rio Bonito, construído pelos seus avôs, Francisco Branco de Araujo e Ana Rocumback, que haviam trazido a imagem da santa da Alemanha. A santa era idolatrada por toda a família e seu avô achou por bem que o povo merecia também essa proteção e mandou erguer a pequena capela para a santa.
 
Isaias Branco de Araujo casou em 27 de abril de 1901 com Rufina Branco de Araujo, com a qual teve três filhos, Eva, Gerino e Isaias Junior.
 
Como comerciante, teve um armazém de secos e molhados, uma loja de tecidos e depois montou uma fábrica de macarrão no bairro e anos depois montou três serrarias, uma em Santo Amaro, outra em Itapecerica da Serra, e uma terceira em M’ Boi Guassú.
 
Tinha como gosto a pescaria, tanto que chegava a comercializá-los, era um bom pescador e tinha a arte de fazer redes e covos de pescaria.
 
Em 1918, já como prefeito da cidade de Santo Amaro, enfrentou um flagelo de uma epidemia que assolou toda a cidade, que foi a gripe espanhola, que combateu com recursos próprios.
 
As suas realizações foram se expandindo ao longo de sua administração que até hoje ainda reflete no povo santamarense, como a estrada que liga o extremo sul de Parelheiros, Colônia e Marsilak, também é sua obra o portal e a capela do cemitério de Santo Amaro.
Modernizou o matadouro municipal em sede nova na Rua Borba Gato, coberto com telhas fabricadas pelo Sr. João Lang tudo em Santo Amaro.
 
Operoso e dedicado, ele sempre demonstrou o máximo interesse a sua cidade, por isso entrou na política pelo Partido Republicano Paulista (PRP), como vice-presidente, e Thiago Luz, como presidente, foi vereador de 1911 a 1917 com várias reeleições. Em 1917 foi eleito Prefeito de S. Amaro e permaneceu no executivo até 1928, e no biênio de 1929 a 1930 ocupou a cadeira de presidente da câmara, quando neste ano explodiu a revolução e com a vitória de Getúlio Vargas, foi extinto os governos municipais.
 
Isaias Branco de Araujo ingressou na Guarda Nacional onde recebeu o título de Tenente Coronel, devido a sua luta pela justiça.
 
Em 1924, com a revolução tenentista, S. Amaro transformou-se em asilo de muita gente da capital, o povo daqui começou a passar necessidade e ele com seu “fordinho” iam buscar alimentos no quartel general dos revolucionários, entre tiros conseguia realizar sua tarefa.
 
Quando a cidade foi tomada e ele foi ameaçado de morte refugiou-se com a família após o rio Pinheiros, para o sítio do Dr. Herculano de Freitas, que hoje leva seu nome no bairro, depois de um mês com a calmaria retornou a Santo Amaro e reassumiu seu cargo.
 
Isaias também desmembrou a Cadeia pública da câmara de vereadores, para mais próximo do Largo 13 de Maio, antigo Largo da Bola. Foi sócio fundador da Santa Casa de Santo Amaro sob número 69 em 1896, construiu o corpo da Igreja matriz, foi muito amigo do Padre José Maria que ergueu a igreja Matriz.
 
Em 1913, conseguiu a instalação de luz elétrica, inauguração dos bondes pertencentes à The São Paulo Light and Power.
 
Em 1919, instalou as primeiras linhas telefônicas. Abriu diversas estradas e avenidas para o extremo da região sul, inclusive a Av. Washington Luiz, chamada de autoestrada na época.
 
Em 1930, Isaias Branco de Araújo, foi escolhido como festeiro da festa do Divino Espírito Santo, pela sua espiritualidade, devoção e trabalho.
 
No final de sua gestão como prefeito teve a honra de presenciar e recepcionar a chegada na represa de Guarapiranga, em 1927, do aviador Francesco de Pinedo em um hidroavião, o primeiro a atravessar o Atlântico desde a Itália.
 
Também recepcionou o Conde Francisco Matarazzo que solicitou a ele a interferência junto à Light para agilizar a instalação de um monumento do aviador nas margens da represa.
 
Isaias Branco de Araujo faleceu em 2 de julho de 1967, aos 88 anos de idade, sendo sepultado no cemitério de Santo Amaro, sua terra natal. Tinha como lema: “Se fiz algo era a minha obrigação e para isso fui eleito”.
 
A única homenagem que se fez a ele foi a denominação de uma rua no bairro de Vila das Belezas que foi subdistrito de Santo Amaro, quando esse atual bairro foi município até 1935 e hoje é sub prefeitura e a Vila das Belezas é um bairro do distrito São Luiz.
 
Santo Amaro tem essa ingratidão com seus filhos, grandes vultos regionais que deram nomes as suas vias estão sendo trocados por nomes de generais e outras pessoas que nunca vieram a Santo Amaro e/ ou nunca sequer ouviram falar de nosso bairro.
 
E-mail: estan_tec@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 05/05/2014

Voce descreveu o nascimento a vida e a morte de um grande homem."Isaias Branco de Araújo",Voce deve ter vasculhado arquivos escritas e documentos da época para resgatar informações tão importantes de alguém que contribuiu tanto pelo bairro de Santo Amaro,mas a homenagem fica pequena se a cidade não contribue para este reconhecimento tão merecido...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 05/05/2014

Quanta injustiça, Estan, até o de Pinedo se identifica mais com Sto. Amaro, só por ter pousado na represa de Guarapiranga do que o Isaias, que tanto fez pelo municipio\bairro no seus 88 anos de existência.

Descrição primorosa, com muito conhecimento, valoriza sua narrativa em grau superior de qualidade. Parabéns, Rybczynski.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 04/05/2014

Stan, parabéns pelo seu didático texto, você faz justiça às pessoas que contribuiram para o crescimento do bairro e que foram esquecidas por quem de direito.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 04/05/2014

Estanislau, parabéns por resgatar informações tão importantes de Santo Amaro e homenagear este personagem, com certeza ele merece. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 30/04/2014

A família requereu uma pesquisa que deixasse registrada as obras deste homem público e deste modo arquivos foram vasculhados por algum tempo para mostrar seu trabalho em prol da grandeza de Santo Amaro.Vide:

A Administração Pública de Isaías Branco de Araújo na Cidade de Santo Amaro

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com.br/2010/08/administracao-publica-de-isaias-branco.html

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 30/04/2014

Estanis, muito prazer em conhecer esse personagem que marcou tão positivamente a história de Santo Amaro. Infelizmente a ingratidão dói. É um dos sentimentos mais sombrios, mais amargos que considero. O seu último parágrafo, em especial, é preciso. Um excelente cidadão, prestativo e comprometido com a sua gente merece todas as honras. Ainda bem que existe você, meu querido Estanis, para imortalizar o sr.Isaías. Parabéns para ele e para você. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 30/04/2014

etan o meu falecido cunhado JOSE VICTOR OLIVA foi prefeito de santo amaro. no passado,ele não quis transformar av, santo amaro em corredor comercial.

depois dele foi eleito JOSE MARIA MARIN.que a primeira coisa que vez foi passar a av,santo amaro para comercial.

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »