Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Curiosidades do bairro Ipiranga - Parte I Autor(a): Nelinho - Conheça esse autor
História publicada em 06/05/2014
Quero contar mais alguns fatos relacionados à vida do bairro do Ipiranga, hoje raras são as ruas e avenidas que ainda não foram tomadas pelos edifícios, o "boom" imobiliário está mudando as características do Ipiranga, antigas construções estão sendo substituídas por enormes arranha-céus, muitos deles de alto padrão vendidos a preços exorbitantes e o que é pior: escondendo a luz do sol e se transformando em uma selva de pedra, assim faço um breve relato para que os jovens de hoje possam ter uma ideia do passado deste bairro que é citado até no Hino Nacional.
 
Na década de 30, no final da Rua Bom Pastor, no sentido do bairro do Moinho Velho, foi erguido um arco de alvenaria no início do então chamado "Caminho do Mar" para cobrança de pedágio, a arrecadação financiou a construção da atual Rodovia Anchieta, o arco foi demolido nos anos 40.
 
Em 1908 desembarcou em Santos, entre muitos imigrantes, o Sr. Virgilio Di Cicco, esse senhor trabalhou inicialmente como cozinheiro, em 1916 montou uma fábrica de calhas na Rua dos Patriotas; em 1918 montou a primeira loja de ferragens também lá na Rua dos Patriotas, com o passar do tempo o negócio cresceu e se transformou em uma loja especializada em materiais para construção cuja matriz funciona na esquina das ruas do Manifesto e Patriotas até hoje, mas já não pertence mais à família. Foi vendida para uma empresa multinacional, seus últimos dirigentes anteriores à venda foram os senhores Enio Benelli e Ricardo Ferraro com os quais tive o prazer de conviver no meu tempo de vendedor da firma Glasurit (Tintas Suvinil).
 
Ainda na parte industrial do bairro, os irmãos libaneses Benjamin, Basilio, Nami e Miguel Jafet, em 1906 montaram a Fiação, Tecelagem e Estamparia Ypiranga Jafet, essa indústria ofereceu emprego a centenas de famílias da região, eu mesmo tive parentes e familiares que trabalharam nessa indústria. 
 
Suas dependências ocupavam o quadrilátero formado pelas ruas Sorocabanos, Silva Bueno, Patriotas e Agostinho Gomes; toda a família Jafet residia no bairro e ocupavam boa parte das ruas Bom Pastor e Costa Aguiar, ainda hoje permanecem algumas belíssimas mansões que foram da família. 
 
Quando fui Juiz de Paz no cartório do Ipiranga tive a honra de formalizar o casamento da filha de Dona Violeta Jafet cuja progenitora, Dona Adma Jafet, foi uma das fundadoras do atual Hospital Sírio Libanês, a Dona Violeta ainda vive e é presidente de honra do hospital se a memória não me trair. Infelizmente a indústria não existe mais, mas fica aqui o meu registro, futuramente devo continuar escrevendo mais alguns fatos que ficaram marcados em minha memória, aguardem.
 
E-mail: lt.ltesser@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 07/05/2014

O depoimento sobre a destruição do Ipiranga, sem preservar aquilo que um dia foi parte da história, faz parte de um modelo aplicado em varias regiões de São Paulo, e infelizmente o “projeto” de ocupação da cidade com prédios do setor imobiliário também se expande para o extremo sul e Santo Amaro que sofre agora os reflexos desta ocupação. As ruas estreitas onde passaram as carroças de nossos avôs continuam com estreitas, a mesma largura de antes, pois não se preocuparam com a malha viária. Quem “chega” agora não tem pertencimento com o lugar e são enganados com a propaganda de “bem estar” em apartamentos de alto custo! Parabéns pela história e seus personagens que deram identidade ao Ipiranga, sempre referência para a historiografia brasileira.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 06/05/2014

Infelizmente isso também acontece aqui o Tatuapé, as casas estão sumindo e só vemos prédios e mais prédios.Muito bom você fazer esse registro para a população mais jovem. Um abraço.

Enviado por Margarida Pedroso Peramezza - margaridaperamezza@gmail.com
Publicado em 06/05/2014

Primeiramente gostaria de saber se Virgilio Di Cicco é o mesmo que empresta o nome a essa rede de lojas de material de construção, deve ter uma história bonita. E quanto a familia Jafet, sem comentários , voce disse tudo, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 06/05/2014

Sou compradora assídua da loja Di Cicco no Ipiranga,rua Silva Bueno vira a minha 25 de março aos sábados, quando posso andar por horas olhando tudo e comprando sempre alguma coisa.Costumo dizer sôbre os casarões do final da rua Bom Pastor, que eram todos eles vizinhos de D. Pedro.Agora av Ricardo Jafet... meu amigo ninguém merece o trânsito e as enchentes!!! a família Jafet devem estar de bruços no caixão,para ninguèm ver a cara de vergonha deles,por esta famigerada avenida levar o sobrenome tão importante como o deles.

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 06/05/2014

Nelinho, com mais um formidável perfil de um dos grandes nomes de famílias que enobresseram o bairro das Colinas Históricas. Com uma redação impecável, Nelinho superou as expectativas de todos nós, seus leitores. Parabéns, Nelinho.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 06/05/2014

o que da saudade do bairro do Ipiranga, e o grande time de futebol que já houve em 1950, YPIRANGA, A,C. cujo time era OSWALDO, BELMIRO, E GIANCOLI HENRIQUE REINALDO E DEMA. LIMINHA, RUBENS,BIBE,WALTER JANSEN.

E AINDA REVELOU, OS JOGADORES, MARIO TRAVAGLINI,VALDEMAR CARABINA,

RIBERTO,ETC..

LINDOS TEMPOS.

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 06/05/2014

Meu querido Nelinho, toas as vezes que vou a S.P. - em janeiro, infalivelmente, visito o Ipiranga. Não gostei de me deparar com esses edifícios altos que você citou. Percebo o quanto esse tipo de construção descaracteriza o bairro. Mas, vamos lá. O meu pai sempre falou dos Jafet e eu gostaria de conhecer mais informações sobre o bairro. Ninguém melhor do que você para nos informar tão bem. Obrigada, Nelinho. Com sua educação, respeito, gentileza e boa escrita, ajuda a resolver essa minha inquietação. Parabéns e um grande abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
« Anterior 1 Próxima »