Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Fui roubado por uma juíza de Direito Autor(a): João Cláudio Capasso - Conheça esse autor
História publicada em 21/05/2014
Sim, pode parecer estranho o título do texto, mas foi tudo verdade. Esta história aconteceu em São Paulo capital, na Alameda da Casa Branca, no Jardim América, em 1985; eu trabalhava como corretor de imóveis. Certo dia, uma cliente ligou para a imobiliária, queria comprar um apto. de alto padrão no Jardim América, de quatro dormitórios, na faixa de um milhão de reais na época.
 
Eu passei a atender a cliente, era uma juíza de Direito, trabalhei mais de três meses procurando o tal do apto. Cuando encontrei o imóvel e mostrei para a cliente ela ficou radiante, gostou demais, era o apto. que ela estava procurando há muito tempo. De repente, a cliente e a proprietária desapareceram. Depois de um mês, o zelador do prédio telefonou dizendo que a minha cliente, a juíza, tinha comprando o apto. que eu tinha mostrado, até que um certo dia eu a encontrei na porta do prédio que ela tinha comprado.
 
Falei: 
- A senhora comprou o apto. que eu lhe mostrei, a minha comissão é devida. 
Ela respondeu: 
- Vai procurar os seus direitos. 
Eu respondi: 
- A senhora devia dar o exemplo de honestidade por ser uma juíza de Direito.
 
Não consegui receber a comissão, fui ao Creci, falei com vários advogados, nada feito.
 
Eu tinha perdido a venda do apto. para uma ladra que se dizia “Juíza de Direito” (não vou falar o nome dela para não ser processado). Isto é Brasil, quem pode mais chora menos, fiquei muito abalado, tinha perdido uma comissão muito boa, foi um trabalho honesto.
 
Eu morava no bairro do Paraíso. Certo dia, na parte da tarde, passando em frente à Igreja Santa Generosa, eu entrei, a igreja estava vazia, eu sentei e comecei a rezar, falei com Deus... Não era justo o que a juíza tinha feito. Fiquei mais de uma hora na igreja sentado e triste.
 
Fiquei olhando as imagens da igreja e comecei a chorar de desgosto por ter sido lesado, quando de repente vinha passando um padre e ele me viu chorando, e perguntou o que tinha acontecido, eu contei toda a história e ele disse: não fique triste, Deus não abandona seus filhos; ele me abençoou e falou: vai em paz que dias melhores virão.
 
Sai da igreja mais leve e não tinha mais raiva da juíza, depois de um mês eu estava na imobiliária quando entrou um cliente querendo comprar um apto. também de alto padrão, ele falou que podia gastar até 7 milhões de reais na época, era um diretor do banco Comind. Esse cliente foi honesto, depois de trabalhar também três meses ele comprou um belo apto. no Jardim América, próximo a Rua Estados Unidos. Recebi a minha comissão corretamente.
 
Voltei na Igreja Santa Generosa, para agradecer ao padre que tinha me consolado da minha tristeza. Não o encontrei, nem ninguém conhecia esse padre. Falei com outro padre disse que nunca tinha visto o padre que eu tinha descrito. Sentei na igreja, agradeci a Deus, rezei e dei uma contribuição para a igreja. Quando eu ia saindo, lembrei o que o padre tinha me dito: Deus não abandona seus filhos.
 
E-mail: jccapasso2@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 23/05/2014

Pois é, Capasso, digo sempre que a magistratura deve ser mantida por advogados que tenham em mente só uma coisa: ser advogado é ser um sacerdote cuja autoridade maior é a VERDADE. A sua comissão estava reservada, como vc, eu também vendedor, passei por semelhante fato. Parabéns, João Claudio, seu texto é ótimo.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 22/05/2014

Quando DEUS permite certas coisas na nossa vida, que não consideramos justo é para testar a nossa fé, ELE sabe do que precisamos e tem algo melhor para nos dar, sempre.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 22/05/2014

Pois e Capasso o que a gente pode esperar de uma pessoa como essa num tribunal , e sendo julgado por ela por qualquer motivo? Foi uma pena voce perder essa comissao merecida . Mas acho que voce deve mesmo manter sigilo quanto ao nome dela pois como voce usou palavras muito fortes contra ela , embora merecedoras , voce sabe que como diz o velho ditado " a corda arrebenta sempre do lado mais fraco" , e e capas de ela ainda de fazer ainda um mal maior. Abracos Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 21/05/2014

Conheço alguns sindicatos que não fazem nada por seus associados,só recebem ás vezes até informações pouco sabemdar.

Estive num Forum certa ocasião para fazer estagio,para obter horas complementares,para faculdade e sai de lá muito revoltado com o que presenciei,só para vc. ter uma idéia,nunca mais voltei(estive só um dia) espero não voltar em breve somente qdo. estivermos tdo.com peticionamento eletronico, numa evetualidade,é um descaso total.

Enviado por Vilton Giglio - viltongiglio25@gmail.com
Publicado em 21/05/2014

Capasso, as vezes somos testados pelo Criador para ver até onde vai a nossa fé, com certeza no segundo negócio você recuperou o que havia perdido no primeiro, aliás juizes também são humanos e as vezes cometem muitos erros, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 21/05/2014

Bola pra frente Capasso, Tenho certeza que você já recebeu nesses anos todos tudo aquilo que essa juíza de "errados" deixou de te dar. coloque isso na pasta de lucros e perdas,e registre isso em sua vida como aquele gol que o Corinthians deixou de fazer por que o Juiz apitou um impedimento que não existiu. Abraços alvi-Negro Itaquerenses.

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 21/05/2014

Quem tem conhecimento da lei usufrui desse conhecimento para lesar quem tem proximidade de alguma demanda jurídica.No caso acredito que ambas, proprietária e juíza, agiram de má fé, e surrupiaram o que era de direito sua porcentagem do negócio, acredito que até descontaram esse valor no ato de compra e venda do bem em questão. Fostes mais tarde recompensado, mas a primeira demanda foi um ato de injustiça, que me admira o conselho não lhe apoiar.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 21/05/2014

Historia muito legal

Realmente existe uma força divina

Parabens

Enviado por alexandre ronan da silva - alexandreronan@gmail.com
Publicado em 21/05/2014

VILTON GIGLIO,e muito difícil ter prova,porque os propietarios não dao mais opção de vendas, os corretores trabalham na confiança dos clientes.

eu tenho o creci a mais de 20 anos,nao serve para nada, so para a gente pagar a anuidades.

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 21/05/2014

Dê o nome pelo menos a familia SPMC,ele pagará um dia de alguma forma,seria bom que soubessemos,não passa de uma vigarista,imagine o que faz por nós ou não?

Vc. não tem provas cabal,nada assinado,e o Cresci ficou na dele e quieto ou só serve para tirar a grana dos associados?

Enviado por Vilton Giglio - viltongiglio25@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »