Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Papo com o M. 2 Autor(a): Modesto Laruccia - Conheça esse autor
História publicada em 27/05/2014
Antigamente, ou melhor, anteontem, quando tínhamos que trocar ideias comigo (ou consigo, sei lá...) mesmo, dizíamos: “vou consultar meus botões...” (quanta frescura, meu Deus) e trocava ideias comigo mesmo.
 
Quando estou em dúvida sobre qualquer assunto, recorro ao M. 2, que nada mais é do que o Modesto nº 2. O nº 1 sou eu.
 
Estou frente a um caixa eletrônico, querendo sacar um certo valor. O banco mantém no Shopping Continental, aqui no Parque Continental, zona Oeste de nossa São Paulo, quatro caixas eletrônicos: um para idosos, outro, além dos serviços gerais, serve para sacar o talão de cheques e os dois restantes para atender ao público em geral. Não é agência normal, não tem caixa “ao vivo”, tem funcionários atendendo clientes para outras finalidades bancárias, às vezes para quem não consegue usar o “ce”, tirando dúvidas e cartões presos, etc.
 
Chego perto do destinado para idosos, não tem ninguém se servindo de outros caixas, e lá vem o M. 2, dando seus palpites: 
- Vá com calma, não se esqueça dos óculos para perto, da senha, tire primeiro o saldo, lembre-se de que você já esqueceu seu cartão na máquina, siga...
– Basta, M.2, não enche o saco, não sou criança para ter tantas atenções assim.
– Ah, não? Você lembra quando veio pagar a prestação da lavadora, passou três vezes o cartão e na quarta vez o cartão ficou preso? Tinha esquecido do número certo da senha? E quando você, com a maior cara de pau, chamou o segurança para...
- “Tá” bem, agora me deixa em paz, preciso de um dinheirinho e você está me atrapalhando.
 
Tenho um pequeno envelopinho de plástico, próprio para cartões de crédito. Como só tenho um cartão do banco, e mais dois que não são de bancos, não tem o que errar.
 
Introduzo o cartão e logo vem a antipática mensagem: “Atendimento impossibilitado”. O caixa dos “velhinhos” deve ter pego a dengue, que se alastra nesta região. Deixo o caixa dos “guerreiros” e sigo em frente. Vou para o outro, a mesma coisa, começo a ficar preocupado. Vou para o terceiro, já pensando em chamar um funcionário quando, de repente, o M. 2 me cutuca: 
- Seu cabeça de jumento, já viu se a faixa marrom, da leitura ótica, está do lado certo? 
– É claro, é a primeira coisa que olho... 
– Me deixa ver de novo. 
 
Quando o M. 2 vê o cartão, dá um “berro” que só eu escuto:
– Veja bem sua cavalgadura, como a máquina pode te dar as informações com este cartão...? Só se for para remédio... 
– O cartão era da Drogasil para os devidos descontos nas compras de remédios... 
 
Mais uma vez, o M. 2 estava com a razão!
 
E-mail: modesto.laruccia@hotmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 29/05/2014

Banco tem sentido de bancar uma espécie de jogo com os parcos recursos que temos para mantermos até o próximo mês e que sempre tem uma taxa para bancarmos e manter nosso cartão ativo. Banco foi idealizado por um grande estelionatário, que germinou a ideia com o termo definido como relações financeiras e que pega o dinheiro de alguém e empresta a outrem e desta operação leva algum, sem ter gasto nada na transação e recebendo disto os dividendos. Banco não produz nada com matéria prima, somente usufrui de lucros provindos do capital do movimento de dinheiro.É o mais rentável segmento e o retorno é sempre certo, mesmo nas falcatruas quem perde é sempre o cliente, nunca o banqueiro!!!

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 28/05/2014

gostei do m2,acho que vou adotar a ideia.kkk

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 28/05/2014

caro modesto, e normal depois de uma certa idade a gente trocar de cartão,

agora cuidado com o modesto n. 3

Enviado por João Cláudio Capasso - jccapasso2@hotmail.com
Publicado em 28/05/2014

Eu tenho pavor de caixa eletrônico,sinto que todo mundo está me olhando.Prefiro pegar dinheiro em uma pequena agência bancária,na esquina de onde trabalho.Tem apenas dois caixas no primeiro andar e é meia camuflada...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 28/05/2014

Modesto, acho que o Bradesco não vende remédio! no teu caso acho que só a Casa Fretin resolve, parabéns pelo texto ótico!!!

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 27/05/2014

Modesto, meu querido amigo, não se xingue não. Você só não prestou atenção em algumas coisas. Você é ótimo sempre, por isso, por favor agradeça a Deus a longa vida com boas memórias e se perdoando por, às vezes, não olhar corretamente o funcionamento do seu cartão. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 27/05/2014

Modesto adorei o texto, Um conselho, siga sempre o seu M.2, ele é o máximo, Eu agora só estou seguindo o meu, que esta super apaixonado pela Denise. (risos).

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 27/05/2014

Pois é Modesto, esses enganos acontece, principalmente quando o cartão do banco é da mesma cor de outros cartões, mas lembre-se de pedir ajuda ao anjo bom de plantão, pois o anjo ruim sempre está de prontidão, gostei da confusão, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 27/05/2014

Muito bom Sr. Modesto. Também tenho um "2" que me acompanha e se mete em tudo. Mas minha sorte é que ele não pode comentar minhas cabeçadas com ninguém.

Enviado por Abilio Macêdo - abilio.macedo@bol.com.br
Publicado em 27/05/2014

Modesto voce me lembra momentos em que estou na rua , ou numa loja , ou num mercado , e ouco vozes como se a pessoa do meu lado estivesse falando comigo . Viro para tentar entender ,e percebo que ela esta com os fones do telefone no ouvido e falando com o outro lado ,eu os chamo dos loucos do tempo. Esses sao os momentos da modernidade que cada vez mais avanca descaradamente sobre nos . E esses teus momentos de falar com os teus botoes sao coisas que todos nos os velhos continuamos a fazer mas de qualquer maneira ate o M. 2 como o J.2 entram em panico principalmente quando a maquina engole teu cartao por precaucao e seguranca . Para nos (eu e voce ) as coisas vao ficando cada vez mais dificeis , porque quando voce pensa que ja aprendeu tudo , eles reiventam tudo outra vez , e a gente volta na estaca zero.Bom texto , agradavel de se ler. Abracos my brother . Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »