Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Caminho das Pedras (Por Onde Andará Mauro Silva?) Autor(a): Chico Pascoal - Conheça esse autor
História publicada em 02/06/2014
Como no poema do Drummond, também no caminho de Mauro Silva havia uma pedra. Ou várias. Não aquelas que nos causar dores terríveis como os cálculos renais ou as que nos dão na vesícula; nada a ver com aquelas de sólida formação que sustentam edificações e pavimentam ruas; e muito menos com aquelas, raras e preciosas, que alimentam as esperanças dos que ambicionam fortuna e que satisfazem vaidades.
 
Como poderia haver flores ou espinhos, foram outras as pedras que o fizeram se perder. O fato é que havia uma pedra. E o nosso simplório amigo, mulato de robusta têmpera, marcador implacável, duro sem ser desleal, no nosso sagrado futebol de sábado (por isso Mauro Silva, em homenagem ao jogador campeão do mundo com quem se assemelha fisicamente. Seu nome verdadeiro, por respeito, dou-me o direito de resguardar), não soube como contorná-la, como driblá-la.
 
E em um embate desigual, infelizmente, venceu a pedra.
 
Chaveiro competente na Rua Tomaz Gonzaga, na velha Liberdade, em uma portinhola espremida entre restaurantes de comida japonesa, Mauro Silva sabia da arte de abrir portas, de vencer o emperramento teimoso de portões, das janelas, dos armários, dos veículos. Era uma espécie de anjo da guarda para os descuidados, para os esquecidos. Abria também um sorriso largo que desarmava fácil os corações lacrados, os espíritos enclausurados pelo medo e pela solidão urbana.
 
E de repente Mauro Silva viu-se, ele próprio, sem saída.
 
Por algum desgosto ou decepção dos quais não temos conhecimento, em um instante de vacilo, fraquejou na vontade e cedeu aos apelos ilusórios do crack. E perdeu no labirinto perverso das ruas o brilho dos seus olhos, o seu sorriso amigo, a sua gentileza, a sua força e simpatia, a garra que costumava demonstrar em campo.
 
Perdeu o rumo, o rapaz que tinha apelido de craque.
 
Perdeu-se Mauro Silva porque no seu caminho, infelizmente, havia essas malditas pedras.
E-mail: chicopascoal.pinto@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 03/06/2014

Chico, infelizmente o caminho escolhido pelo Mauro não o levou para as pedras preciosas, encontrou a maldita droga, essa praga que faz a infelicidade de muitos jovens e de suas famílias, e ainda tem gente que luta pela legalização, parabéns pelo seu texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 03/06/2014

As malditas pedras já levaram, levam e levarão, ainda muitos incautos na perversa cavalgada rumo ao inferno, que não é o de Dante mas daquí mesmo, do Brasil. Parabéns pelo texto, Chico.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 03/06/2014

Ai, Chico! Que coisa triste, perversa, sem volta!! Gostaria que o fim da história fosse bem diferente. Que pena! Um abraço para você.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 02/06/2014

Valeu a pena esperar seis meses por uma nova crônica sua, Chico. Tão bem escrita que o tema triste quase passa batido. Parabéns.

Enviado por Abilio Macêdo - abilio.macedo@bol.com.br
Publicado em 02/06/2014

O importante é não sermos pedra de tropeço no caminhar de nenhum ser humano e saber a hora de não interferir naquilo que não devemos passar de nossos limites, ajudando o andar de alguém nos caminhos da vida.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
« Anterior 1 Próxima »