Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares São Paulo à Santos, 1944, 45, Uma Odisséia Gostosa Autor(a): Joaquim Ignácio de Souza Netto - Conheça esse autor
História publicada em 14/07/2014
Quatro horas de la matina e os bondes e ônibus ainda não estão correndo pela cidade de São Paulo de Piratininga. Carros de praça também não os há, são raros os que trabalham noite à fora e madrugada à dentro, apenas aqueles que fazem ponto no centro da cidade:  Paisandu, Sé, Piques ou nas estações do Norte e da Luz; além do mais os carros de praça são caros e não são para qualquer um, e nós - meu pai, minha mãe e este seu amigo - fazíamos parte da confraria dos “qualquer um”, dinheirinho contado, ali, níquel por níquel:
 
“Vamos andando porque faz bem pra saúde, menino!  Vamos aproveitar o ar puro da madrugada para caminhar até a Estação da Luz!”
 
E lá íamos nós, pela madrugada gelada, “garoenta”, atravessando a neblina à pé, do Bexiga para a estação de trens:
 
- Ôba! Nós vamos pra Santos, mãe? Posso levar a minha bola? Será que está chovendo na praia? Será que vai fazer sol?  A sacola está pesada, mãe? Quer que eu leve um pouquinho? A senhora tá cansada?
 
- Não, não tô! Vê se para de falar e anda mais depressa que seu pai já deve estar na estação esperando a gente.
 
Meu pai trabalhava para a ”'The São Paulo Railway Company”, a ferrovia que ligava Jundiaí a Santos e podíamos viajar de graça, o que era muito bom...
 
O trem para Santos saia da Luz às 6:18h. E, lá estávamos nós desde 5:30h, esperando meu pai com as passagens de cortesia a que tínhamos direito.  Para podermos embarcar, precisávamos que ele estivesse presente para assinar alguns papéis e nos entregar as carteiras de "salvo conduto", que ele levara para conferência.  O país estava em guerra e viajar era complicado, havia a necessidade de autorização de algum órgão do governo, vê lá se fôssemos espiões ou 5ª Colunas, um perigo para a segurança nacional, né?
 
O trem vinha parando na plataforma devagarinho e, a correria começava, gente entrando pelas janelas, pulando para dentro dos vagões. Meu pai me atirava para dentro do trem:
 
- Vai, cuidado!  Marca logo os assentos pra você e sua mãe, eu já vou entrar pra te ajudar...
 
- Pai, o senhor vai com a gente?
 
- Não vai dar. Estou de serviço no Palácio por 3 dias seguidos, estou cobrindo folga dos colegas pra eu poder ter folga e descer pra ficar com vocês...
 
O apito do chefe da estação: Brás, São Caetano, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André/Paranapiacaba, paisagens pelas janelas do trem.
 
Em Paranapiacaba todos saltavam dos vagões e vinham para a plataforma da estação para um café pequeno, um espichar de pernas, um olhar para o vazio, para um nada. A cidadezinha, mais um entroncamento ferroviário que uma cidade, vivia eternamente sumida dentro de uma neblina densa, daquelas de se cortar com uma faca, uma cidade fantasma, ponto de aguardo para continuar viagem em direção ao litoral.
 
Nós, crianças, ficávamos junto aos pais o tempo todo:
 
- Fica perto de mim, segura na minha mão, presta atenção, não me vai cair nos trilhos; para de ficar correndo na plataforma porque se você cair e sujar a roupa, eu te arranco a cabeça, “maledetto”!  (Ah, o amor maternal...)
 
Na estação existia algo parecido com um bar ou pub inglês, balcão alto, torneiras de pressão para a venda de “ales e biers” e que nunca foram usadas por falta de “ales e biers”, eram decoração, apenas enfeites. Afinal,  Paranapiacaba não era Londres. Tinha também uma vitrine empoeirada mostrando sanduíches de presunto e queijo em pão de forma, displays com alguns doces, chocolates e biscoitos de polvilho, tudo muito caro e possivelmente com a validade vencida (estamos falando dos anos 40, ninguém estava lá preocupado com essa história de validade):
 
- Mãe, me compra uma guaraná?
 
- Não dá filho, eu só tenho 20.000$000 réis que seu pai deu. O homem não vai ter troco e a gente só tem uns trocados pro bonde lá em Santos...
 
Em Paranapiacaba começava o caminho serra à baixo, num declive de uns 800 metros até Piaçaguera, lugarejo próximo à Cubatão. As composições tinham normalmente 6 vagões e eram divididas em dois comboios que se moviam através de um sistema funicular, a composição que descia servindo de contrabalanço para a composição que subia, ambas as composições presas a cabos de aço. Em Piaçaguera o trem era recomposto e seguia viagem até Cubatão e Santos...
 
A viagem de São Paulo à Santos, de trem, durava de 3 a 4 horas. Não existia a Via Anchieta, apenas o Caminho do Mar, estrada com piso de concreto por onde circulavam ônibus da UTIL a cada 2 horas, ida e volta e apenas durante o dia. Ônibus nem um pouco confiáveis, diga-se de passagem, viviam quebrando. Melhor era viajar com o trem da "inglesa", não valia a pena arriscar.
 
Descer a serra era uma festa, sempre havia uma pessoa mais alegre que puxava as gozações e brincadeiras. As crianças corriam pelos corredores dos vagões, brincando de “pegador” e “esconde-esconde”:
 
- Esconder debaixo dos bancos não vale; esconder na privada também não vale, lá é muito “chujo”, a mãe fica brava e bate na gente!
 
Ninguém ficava o tempo todo sentado, as pessoas faziam amizades momentâneas que iriam durar até a chegada no Valongo:
 
- A senhora aceita um cafézinho? Está quentinho ainda na garrafa ”Termus”, não sei se está bom de açúcar.
 
- Obrigado, aceito sim... huummm, está gostoso, tá bom de doce...!
 
Nas rodinhas de conversa que se formavam, ouvia-se histórias apavorantes:
 
- Nos túneis tem um gás que pode matar, a gente não pode respirar se não morre “sofocado”; quando o trem entra nos túneis tem que tapar o nariz e a boca prá segurar o “forgo”.
 
- É verdade!  Dizem que uma vez, quando o trem chegou na raiz da serra, tava todo mundo morto dentro dos vagões...
 
- Eu não acredito, eu tenho medo é do trem cair nos “principicio”...  se cair não sobra ninguém pra contar a história... eles nunca vão achar a gente no meio da  “froresta”... “cê” já viu como é “arto”?
 
- Já me falaram que uma vez o cabo de aço arrebentou e os vagões desembestaram pela linha a baixo, descarrilaram e bateram na montanha... morreu todo mundo, diz que até saiu nos “jornar”!
 
Felizmente nunca nenhuma tragédia aconteceu conosco, mas por via das dúvidas, eu prendia a respiração dentro dos túneis e ficava de olho no cabo de aço toda vez que íamos para Santos, vai que...
 
O bonde 4, Ponta da Praia, saia da Praça Mauá e nos levava até o Embaré e, descíamos no ponto em frente à igreja; de lá, uma curta caminhada até a Afonso Veridiano, 52, casa de meus tios, minha total alegria ...
 
O encontro com os primos era como um ritual, futebol na rua até escurecer, depois todo mundo apanhando das mães: "quando eu chamar pra tomar banho é pra vir na hora!" À noite a gente “punha” as conversas em dia, falava-se de filmes, de seriados: “Lá em São Paulo, tá passando o Império Submarino”. Falávamos do Corinthians, time de tradição familiar, mostrávamos os álbuns das balas Futebol: “Você tem o Dedão carimbado?"...
 
Em 1944, o Embaré tinha alguns chalés de madeira com grandes quintais e terrenos baldios que se estendiam da Epitácio Pessoa até a Pedro Lessa e, da Oswaldo Cochrane até o estádio do Hespanha Atlético Clube, posteriormente Jabaquara, o Leão do Macuco, na praia da Aparecidinha.
 
Santos era uma cidade de casas baixas; edifícios de vários andares eram exceção e prédios como o Parque Balneário e o Hotel Atlântico, com 4 pavimentos, eram cartões postais da praia do Gonzaga, motivo de orgulho para os santistas.
 
Meus primos, o Ademar e o Edson, não eram muito de ir à praia, mas me acompanhavam e ficávamos na areia por horas, conversando, brincando e, vez ou outra, indo até a maré para fingir que sabíamos nadar...
 
Meus primos adultos, o Percy e o Maurício, eram atletas nadadores e saltavam do trampolim que ficava na Ponta da Praia, coisa que eu não me cansava de assistir, "quando eu crescer também vou saltar do trampolim", pensava com meus botões...
 
Quando meu pai conseguia uma folga, vinha ao nosso encontro e eu sabia que o nosso tempo na praia estava terminando. Agora era voltar pra São Paulo e pra nossa vidinha no Bexiga, velho de guerra!
 
“Da outra vez que a gente vier eu quero ir no Aquário que inauguraram na Ponta da Praia, eu vi na Tribuna.  Lá tem um leão marinho e tem pinguins. Eu nunca vi leão marinho, só em filmes..."
 
E-mail: joaquim.ignacio@bol.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 15/08/2014

Prezado Joaquim o trem para Santos na epoca éra um verdadeiro show de maravilhas, equipamentos que faziam a segurança dos trens transportados, foi realmente um tempo em que o paulista tinha inumeros moptivos para descer para Santos, era muito divertido, hoje esta viagem esta tão corriqueira que não nos desperta nem siquer entusiasmo, Parabens,

joaomarquezi@yahoo.com.br

Enviado por João Marquezin - joaomarquezin@yahoo.com.br
Publicado em 17/07/2014

Era assim mesmo, Joaquim, pela sua descrição posso me ver caminhando pela calçada, em frente a igreja do Embaré, tardes ensolaradas, joguinho na praia e picada de siri, que vc não menciona mas, a Ponta da Praia era "um mar de crustáceos", era entrar na água e lá vinha um siri dar uma picada.

Na serra era essa emoção mesmo, uma composição compensava a outra, como um elevador. As fagulhas que vc menciona eram uma constante em todos os trens da época. Soberba narrativa, Ignacio, rendendo informes interessantes para os mais novos que não tiveram a ventura de viver nessa época. Texto enxuto e impecável, Joaquim, parabéns.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 17/07/2014

Bela viagem, Joaquim. Que grande memória! Tal viagem, também a fiz- ou fí-la, como talvez tenha dito Jânio- quando pequeno, e minhas lembranças são confusas. Mas lembro-me de, sozinho, começar a ler os cartazes da estação. Foi minha primeira experiência, não de trens, mas de leitura. Abraços.

Enviado por Luiz Simões Saidenberg - lssaidenberg@gmail.com
Publicado em 16/07/2014

Ignácio

Espetacular sua descrição sobre essa viagem pitoresca. Eu também tive a oportunidade de conhecer essa façanha. A primeira viagem de trem que, para descer ou subir a serra era necessário ser "amarrado" por um cabo de aço, a gente nunca esquece. Como curiosidade, no decorrer do seu relato você comenta: "Lá em São Paulo, tá passando o Império Submarino". Em 1944, com 11 anos de idade, eu assisti esse seriado no cine Pedro II, acompanhado da "menina do olhar". Esse fato eu menciono numa história publicada neste site em 13/09/12 sob o título "Nada além de um olhar". Valeu Ignácio, pelo relato e por fazer relembrar esses momentos saudosos. Abraços - Capuano

Enviado por Roberto Capuano - robertocapuano@grafixdigital.com.br
Publicado em 16/07/2014

Joaquim, sensacional a tua descrição daquelas viagens maravilhosas de São Paulo a Santos. So faltou falar dos borrachudos que infestavam os vagões e nos picavam insistentemente. Mais u8mgol de craque meu cronista especial.

Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 16/07/2014

Meu bom amigo Arthur, obrigado pelas palavras elogiosas e vai aqui um esclarecimento: o Dedão jogou pelo nosso Corinthians (entrando e saindo do time) até pouco antes da chegada do Divino Mestre Domingos da Guia. Dedão bandeou-se para o SPR, posteriormente Nacional AC, quando do fim dos ingleses no controle do clube e no setor ferroviário de São Paulo.

Abraço de seu criado e amigo

Ignacio

Enviado por Joaquim Ignácio de Souza Netto - joaquim.ignacio@bol.com.br
Publicado em 15/07/2014

Joaquim, seu belo texto me transportou também para a primeira vez que fui a Santos com meu falecido pai, viagem longa, com parada no alto da serra para a descida dos vagões, e torcendo para poder aproveitar a praia, bons tempos, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 15/07/2014

Muito bem contada esta “aventura” que continuam como coisa eterna gravada em nossa mente que não “mente” jamais. Éramos felizes em coisas simples e era assim que tinha que ser. Havia a linha de trem de Santo Amaro que descia para o litoral para as “bandas” de Itanhaém e que também era uma aventura máxima, mas que dava calafrios ao ver o precipício da Serra. Tivemos há algum tempo em Paranapiacaba, para ver o que restou da “Inglesa” que está sobre “custódia” de Santo André, mas parece que a história está se desmoronando como está também esse antigo legado de nossa áurea expansão cafeeira. Parece que estão tentando manter o mínimo que permanece em pé como que a persistir pela preservação. Os cabos de aço que desciam as composições ferroviárias foram substituídos por cremalheiras onde rolam os dentes do pinhão das locomotivas que poderiam ao menos ter uma composição de passageiros ao menos nos fins de semana para ser deleite das crianças e recordações dos mais vividos. Parabéns pelo texto.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 15/07/2014

Joaquim que texto delicioso de ler e recordar, nele você retratou nos mínimos e nos máximos detalhes, o que era nos anos 40 e 50 uma viagem de trem para Santos, adorei e viajei de carona nessa sua historia, me lembrei até do famoso Dedão carimbado, que se não me engano jogava na defesa do NACIONAL A.C.(não confundir com Antes de Cristo) Time da Água Branca. P A R A B E N S. com destaque. EM TEMPO: Acho que aquele Leão Marinho deve estar com uns 70 anos no minimo, ( risos ).

Enviado por Arthur Miranda (Tutu) - 27.miranda@gmail.com
Publicado em 14/07/2014

Apenas uma correção: nomeei uma rua de Santos como Osvaldo Cochrane, falha minha, vai confiar na memória de um macróbio como eu! O nome correto é R. Almirante Cochrane, das principais ruas do Embaré; o nome Oswaldo Cochrane, sei lá porque?, veio à minha mente. Peçodesculpas.

Abraços do Ignacio

Enviado por Joaquim Ignácio de Souza Netto - joaquim.ignacio@bol.com.br
« Anterior 1 2 Próxima »