Leia as Histórias

Categoria - Paisagens e lugares Lembrança Autor(a): Jorgival Gomes - Conheça esse autor
História publicada em 17/07/2014
Estudei no Grupo Escolar Professor Theodoro de Moraes, ali na Água Rasa. Morei na Rua Marechal Barbacena, nº 859 - não existe mais o número, acho que derrubaram com as novas construções. Faz tempo. Muito tempo. E, numa dessas noites frias, enquanto aguardava um café, veio-me à lembrança minha antiga escola. 
 
Hoje, sem dúvida, muito diferente. Aliás, nem sei se ainda é uma escola, ou se já foi agrupada por outro empreendimento: os altos castelos geométricos de concreto, sem sinuosidades, só traços. E, nesse ínterim, a saudosa professora de matemática, o nome dela, puxa...  já escondeu-se na memória do tempo.
 
Penso nos colegas que estudaram comigo, na mesma turma, por onde andam? O tempo apaga muitas coisas. Muitas lembranças vão, como que se desvanecendo. As folhas dobram, alguns escritos se apagam lentamente, e assim, ficamos como que no lapso atemporal da memória. 
 
Há algum tempo passei por lá. Trouxe-me nomes: Lelinho, Elza... Nomes, imagens que estão se apagando lentamente. E, vejo-me a registrar uma paisagem cinza, que se desvanece como a passageira nuvem, que vinha lentamente, e lentamente se dissipou. Saudades do menino, do garoto, do jovem inocente. Enfim, tudo muito diferente. Onde andam os outros? Quem sabe? Talvez agora, como eu, folheando o passado. Tudo foi tão rápido. Que Deus abençoe a todos. Até breve. Quem sabe?
 
E-mail: jorgivalgomes@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 23/07/2014

Jorgival, seu saudoso texto me transportou também para os meus tempos de grupo escolar aquí no Ipiranga, e lá se vão muitos e muitos anos, bons tempos! parabéns pelo relato.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 18/07/2014

Aos poucos nossa memória vai recuperando fatos, locais, pessoas, que marcaram nossa infância, juventude......é sinal que já passamos da metade do caminho.....mas nunca saberemos o final, quanto perto ou longe está...Por isso a graça da vida....

Enviado por Luiz C. Peron - luizcperon@bol.com.br
Publicado em 18/07/2014

Os tempos dos bancos de escola nos trazem belas recordações de momentos memoráveis, das disputas das antigas sabatinas e também das disputas esportivas entre colégios, onde forjaram nossas estruturas de saber e caráter. O respeito aos mestres era extremo, eles sempre tinham razão e nenhum aluno ousava desafiá-los. Ficou a saudade de nossas alegrias juvenis.

Enviado por Carlos Fatorelli - cafatorelli@gmail.com
Publicado em 18/07/2014

Jorgival,eu entendo o que voce sentiu quando voltou a este lugar tão significativo em que voce morou por tanto tempo e cresceu rodeado de amigos e vizinhos dos quais as lembranças estão se apagando com o tempo...Tudo deve ter mudado ali na Agua Raza onde voce cresceu...e quem sabe alguém também lembra da sua passagem por lá e se pergunta onde anda você? Eu já contei neste site a dôr que senti quando eu voltei ao meu lugar de infância e adolecência...não reconheci mais nada e ninguém...voltei triste e cabisbaixa com a certeza de que aqueles rostos nunca mais serão vistos e o tempo está deletando estas imagens cada vez mais das minhas lembranças...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 18/07/2014

Jorgival, seja muito bem-vindo ao site e seja feliz por aqui, repartindo as suas lembranças de uma cidade ímpar, encantadora e com sentimentos bons. Gostei muito do seu relato, pois é na escola que a gente começa a fazer os primeiros contatos com o mundo mais real. Os primeiros amigos. As professoras... felizmente guardei o nome de todas elas, mas eu também tenho os mesmos questionamentos que você: onde estarão? Tenho muita, mas muita vontade mesmo de relembrar os seus nomes, saber das suas fisionomias hoje, o que fizeram da vida. Mas, como você mesmo falou, lentamente as coisas vão se dissipando. Um abraço e parabéns pelo texto.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 17/07/2014

Cálida e adocicada recordação dos tempos memoráveis de uma meninice impagável e muito alegre. Simpática sua narrativa, Jorgival, parabéns.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »