Leia as Histórias

Categoria - Nossos bairros, nossas vidas Simplesmente: doeu! Autor(a): Luiz C. Peron - Conheça esse autor
História publicada em 18/08/2014
Cá estava eu, procurando matar o tempo...
 
Viajei pelo google earth, através de meio mundo: fui do Amazonas ao deserto do Saara, Mar de Aral, Austrália...
 
Que maravilha poder viajar tranquilamente! Ver paisagens que na infância, na juventude, na vida adulta, só era permitido pela imaginação.
 
Mas o "mouse" teimosamente me levou a um cantinho de São Paulo: Vila Nair, Ipiranga.
 
E lá fui descendo pelas ruas que fizeram parte de minha infância, de minha juventude. A esquina onde, à noitinha, a moçada se reunia, contando piadas, uns gozando as "furadas" dos outros... Fui tentando identificar as ruas, as casas, e relembrando fisionomias, que certamente, igual a minha, estão mudadas.
 
Parei numa esquina, um sobrado na Rua Jamboaçu, número 35.
 
Com certeza absoluta, foi arquitetado, construído, com muita dificuldade, mas tinha um estilo novo, linhas retas e uma espátula no final da fachada, que lhe dava um toque diferente do ano de 1962.
 
O construtor, engenheiro, pedreiro, carpinteiro: todos como um só. Auxiliados pela força de vontade da família. De todas as pessoas, uma destilava ansiedade impar, ao ver, aos poucos, um sonho que durante muitos anos cultivava, sendo realizado:
 
"Ter uma casa própria". Sem luxos, sem maiores privilégios, pois as tarefas domésticas seriam as mesmas, mas na sua casa. Se orgulhava daquela imensa conquista.
 
E a imagem do tal sobrado lá está. É até difícil de acreditar: desfigurado, pichado... Que pena!
 
Ainda bem, que ela não está mais aqui para ver no que se transformou seu sonho!
 
E-mail: luizcperon@bol.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 20/08/2014

Luiz, fico imaginando a emoção desse encontro depois de muitos anos, nunca se deve deixar para depois, pois essa oportunidade pode nunca mais vir, pena que a moernidade vai distruindo tudo e o que resta é a saudade, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 20/08/2014

Ainda bem que temos internet e podemos viajar sem sair da nossa casa.

Ipiranga, que saudades.

abraco

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 19/08/2014

Peron, infelizmente o vandalismo está atingindo até nossas casas, aquí no Ipiranga ocorre o mesmo, mas valeu a sua lembrança, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 19/08/2014

walquiria...

Por favor, faça isto por mim..

Há muitos anos, depois que meus pais, se mudaram para o interior;obrigados pela idade, e em busca de uma tranquilidade aparente; Nas vezes, quando estavam junto, em São Paulo; andando pelas ruas do Ipiranga, ela, sempre ela, meio sem jeito, pedia:

Vamos dar uma passadinha, na nossa casa,.....e lá íamos, parávamos em frente, e ela comentava:

"Tá bunitinho...tão cuidando bem, né?";.

Na última vez, que pediu,.... e a "maldita pressa".....hoje não dá......

Nunca mais deu!!

Peron

Enviado por Luiz C. Peron - luizcperon@bol.com.br
Publicado em 18/08/2014

Luiz, que grande conquista! Eu sei bem o que é isso - a importância do espaço, o esforço pela construção, as memórias que ficam. Mas não dá para aceitar a destruição de um sonho, a pichação, o descaso. Tudo é muito importante para quem sonha.As marcas ficam grudadas na alma. Parabéns pelo relato e um grande abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 18/08/2014

Realidade incontestável, 1962, quase 60 anos, que não são tão antiga a ponto de se desgastarem tão cedo. No entanto...lá está a prova da modernização da cidade. Parabéns, Peron.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 18/08/2014

Triste mesmo, pessoas sem escrúpulos picham seu patrimônio sem cerimônia e tudo fica por isso mesmo. Uma vergonha, como diz Boris Casoy.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 18/08/2014

Preron,qualquer dia destes vou parar em frente ao nº 35 da rua Jamboaçú,e matar as saudades por você.As vezes quando saio mais cedo,dou carona a um funcionário que mora na rua Capixanã proximo a 5 de julho.Eu moro próximo a rua do Lago com a Tancredo Neves

Mesmo pixado e desfigurado ele ainda está lá em pé resistindo ao tempo,Acho que ele merecia uma placa com os dizeres : "AQUI MOROU A FELICIDADE..."

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
« Anterior 1 Próxima »