Leia as Histórias

Categoria - Personagens Carências da velhice Autor(a): Neide Gaudenci de Sá - Conheça esse autor
História publicada em 21/08/2014
De um momento para outro, a especulação imobiliária foi tirando as famílias dos sobradinhos da Pompéia, e criando uma nova maneira de morar. Além disso, as grandes distâncias na nossa querida cidade e o trânsito caótico, que piora a cada dia, estão evidenciando um novo papel social, de extrema importância para as idosas.
 
Morar sozinha por opção, ser ainda ativa, torna vital a colaboração daquele rapaz, indispensável nos condomínios, que é o “faz-tudo” - como apelidei carinhosamente. É praticamente impossível chamar os filhos a toda hora e imaginem ir de um bairro a outro, no horário de pico, para atender à mamãe num probleminha do dia-a-dia.
 
Precisamos de ajuda para trocar uma lâmpada; mudar um móvel de lugar; tirar ou guardar coisas no armário lá em cima; abrir latas, potes e garrafas; ajustar a temperatura do chuveiro, e mais mil e uma coisas que surgem a todo o momento e que nos fazem reconhecer nossas atuais limitações.
 
É verdade! Apesar de toda nossa boa vontade, não podemos subir em escadas, não temos mais força nas mãos, não conseguimos carregar peso, entre outras coisas...
 
Fazemos o que nos é possível e ele, o faz-tudo, agora nos parece o neto habilidoso que, gentilmente, quebra nossos pequenos galhos.
 
Ao Carlinhos e a todos os outros que desempenham com carinho essa função nesta paulicéia desvairada  –  como dizia nosso poeta Mário de Andrade -, o meu muito obrigada e que Deus os abençoe.
E-mail: neidegsa@gmail.com
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 15/09/2014

Queridos amigos: fiz com que o Carlinhos acessasse o nosso site para ler o que escrevemos (o texto e os comentários). Vocês precisavam ver a alegria dele, parecia que tinha ganho o Prêmio Nobel. Foi muito bom!

Enviado por Neide Gaudenci de Sá - neidegsa@gmail.com
Publicado em 28/08/2014

Um agradecimento singelo ao "neto improvisado" que muito bem desempenha as funções,as vezes, melhor do que o legítimo. Parabéns, Neide de Sá.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 28/08/2014

Outro dia presenciei a grande dificuldade de um senhor, que parou ao lado de um poste, para atravessar uma rua... Quantas limitações (andar, ouvir, enxergar, falar, doenças, sequelas de acidentes, comportamentais, entre outras) podem acontecer em qualquer fase da vida.

Enviado por Ana Regina Carnevalli Parra - arcparra@ig.com.br
Publicado em 26/08/2014

Parabéns, Neide é sempre bom reconhecer estes jestos de amor em nosso cotidiano. Meu pai sempre foi um faz tudo, resolvia qualquer coisa lá em casa. Quando casei, meu marido não fazia nada disso, era tudo por minha conta, agora ele se aposentou e virou o Sr. faz tudo aqui de casa, até inventor ele tem sido.

Beijos.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 25/08/2014

Neide, ainda bem que temos cada um de nós um "Carlinhos" no Condomínio para nos auxiliar, o mesmo acontece aquí em casa, acho até que deveria ter no calendário "O Dia dos Carlinhos" pelos grandes serviços que nos prestam, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 25/08/2014

Que bom que voce tem o Carlinhos...

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 25/08/2014

Neide, quye bom que você tenha o Carlinhos, mas parabéns mesmo ao Carlinhos.

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 22/08/2014

Neide,hoje em dia eu também tenho um marido de aluguel para estes consertos,Fiquei 32 anos casada e meu ex:marido nunca pregou um prego e nem fechou uma janela,eu é quem sempre fui a eletricista,encanadora pedreira,marceneira,jardineira etc...etc...Mas agora o meu juízo(me lembra sempre)para não subir em lugares altos e nem mexer com eletricidade,pois um choque forte que antes melhorava o coração,agora vai fazê-lo parar.Mesmo assim ainda teimo em fazer certas estripulias pois eu adooooro esses tipos de serviços...

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 21/08/2014

Neide, minha querida, como é linda a gratidão! Amo profundamente as pessoas que sabem agradecer, reconhecer o empenho do outro para que as coisas possam fluir, caminhar bem. Parabéns pela sua sensibilidade e pelos cuidados do Carlinhos. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 21/08/2014

É verdade, Neide, esses problemas que enfrentamos apareceram de repente, quem os convidou? hoje não posso girar minha cabeça pra olhar do outro lado, não posso me abaixar pra pegar alguma coisa no chão, nãoposso subir em escadas hiiiiii, quantas limitações, meu Deus. Parabéns, Gaudenci, belo texto.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »