Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Tempos sombrios com gargalhadas Autor(a): Vera Moratta - Conheça esse autor
História publicada em 26/11/2014
Indescritível o sentimento. Uma energia latejante ecoava pelo coração daquele tempo de juventude. Que imensa a realização ao entrar na universidade logo no primeiro vestibular! Para quem tinha a autoestima mergulhada no mais baixo padrão da existência, terminar o antigo colegial e entrar no curso superior era marcar entrada triunfal no mundo adulto. Sim, um mundo com mais conhecimento, participação, responsabilidade, deveres de pessoa dona da palavra e do curso da própria história. Seria ter voz ativa, mudar alguma coisa. Sonhar muito, sonhar alto e transformar o mundo.
 
Quantos de nós sonhávamos em mudar o mundo! Felizmente juventude tem disso – ou tinha. Então, era preciso agir e rápido. Jovem tem pressa sempre e não sabe e nem quer aprender a desacelerar. Os passos têm que ser largos e com decisão. E o inesperado, bem, arruma-se uma justificativa para ele.
 
Próximo passo: procurar trabalho. Onde? Falar o que? Como enfrentar uma entrevista? E com que roupa, com que roupa eu vou pro samba que você me convidou??? Com qual conhecimento, experiência, qualificação??? Que nada, logo percebi que terminar o colegial era apenas uma etapa da vida e que não conferia a ninguém qualquer tipo de capacitação.
 
Pior de tudo: tempos macabros de ditadura e recessão. Liberdade e trabalho, que seriam muito bons, neca. Nerusca! E o cinto apertava, as contas iam chegando. E a casa, a vida pedindo urgência.
 
Minha amiga Suely e eu resolvemos prestar um concurso. Coisa da prefeitura e não tenho mais nem uma vaga ideia do que era, qual seria o salário, etc e tal.
 
Realizamos a prova. O resultado foi a nossa aprovação. A felicidade em imaginar viver com autonomia, dona das próprias pernas, de participar do mundo adulto, com boas ideias, propostas inovadoras, tudo junto, fazia de nós as pessoas mais realizadas naquele remoto inverno de 1977. Puxa! Eu comecei a pensar com uma agilidade espantosa, no quanto a minha vida e da minha família haveriam de melhorar. No caso da Suely era diferente. Filha única, sem problemas aparentes na família, pai saudável, seria apenas uma conquista pessoal para, com mais liberdade, comprar os seus próprios pares de tamancos. E como ela fazia plec plec com os seus tamancos!
 
Chegou o dia da nossa apresentação àquele setor da prefeitura. Fomos juntas risonhas e prontas para assumir a tarefa.
 
Sem cerimônia, veio nos a tender um jovem funcionário, acomodou-se sobre a escrivaninha, apoiando a perna direita sobre a mesma e começou a explicar o que viria a ocorrer após a aprovação no dito concurso:
 
-Vocês têm que esperar dois anos para serem chamadas e...
 
- Quá quá quá quá quá.
 
Nós nos pusemos a rir compulsivamente, dobrávamos o corpo e até lacrimejávamos de rir... para não chorar diante da frustração e da vergonha, pois nós estávamos acreditando que, se fomos aprovadas, qual seria o problema em começarmos logo a trabalhar e a cuidar das nossas vidas?
 
Mas nós gargalhamos tanto, mas tanto, que o rapaz resolveu não falar mais nada, apenas sorriu e nem se mexeu de sobre a mesa.
 
Saímos de lá nos torcendo como parafusos de tanto gargalhar, entramos no metrô e não conseguíamos nos conter até chegar em casa.
 
Apenas um jeito infantil de tentar entrar no mundo da responsabilidade. Permanecemos desempregadas, mas logo consegui um estágio, onde tive a grata felicidade de conhecer o meu futuro marido.
 
E-mail: vmoratta@terra.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 02/12/2014

A males que vem pro bem. Ainda bem né Vera, apesar que nessas horas ficamos frustados. Abraços Aureliano ...

Enviado por José Aureliano Oliveira - joseaurelianooliveira.aureliano@yahoo.com.br
Publicado em 29/11/2014

Ai, Vera, vocês tiveram uma crise de riso, isso acontece de vez enquando comigo, gente é incontrolável.

Graças à DEUS que logo conseguiu um estágio. Parabéns.

Enviado por Julia Poggetti Fernandes Gil - gibajuba@yahoo.com.br
Publicado em 27/11/2014

Até hoje o procedimento é o mesmo.A pessoa passa no concurso e espera sabe se lá quanto tempo para ser chamada...E quando acontece de chamarem???

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 27/11/2014

Nossa querida Vera com mais uma deliciosa crônica sobre seus percalços na estruturação de seu futuro, após sua formatura. Salpicada com alguma ironia, debulha em gargalhadas sua decepção como nova funcionária pública. Gostei bastante de seu texto, Moratta, parabéns e um forte abraço.

Laruccia

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 26/11/2014

Pois é, Vera,naquela época já tinha fila de espera. Melhor não ter acontecido a admissão para o concurso, pois, assim, conheceu o futuro marido.

Seu texto me fez lembrar meu primeiro emprego remunerado em uma redação de jornal: Folha de São Paulo. Pensei que sairia para a corrida de pautas. Qual nada, comecei mesmo como past-up e retocador de fotolito: canetas nanquim, abidec, etc.

Enviado por Pedro Nastri - p.nastri@yahoo.com.br
Publicado em 26/11/2014

Vera, apesar de tudo você venceu de maneira brilhante e superou todos os obstáculos, as conquistas difíceis são aquelas que nos proporcionam momentos de grande felicidade quando nos lembramos delas, parabéns pelo seu relato.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 26/11/2014

Uma bela história sobre sonhos e emoções na luta para a conquista do primeiro emprego.Parabéns pela história!

Enviado por Ana Maris de Figueiredo Ribeiro - anamarisribeiro@ig.com.br
« Anterior 1 Próxima »