Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Caso de setembro Autor(a): Vera Moratta - Conheça esse autor
História publicada em 04/02/2015
Foi num setembro triste que ouvi o Cid Moreira anunciando a chegada da primavera. Deve ter sido em 72 ou 73. Eu começava a descobrir que os dias poderiam ser bons, carregados de energia, vida e alegria. Quem sabe, uma promessa de paz.
 
Eu me lembrei que, anos antes, a professora do primário ensinou a cantar uma música mencionando a primavera, e que essa estação era gentil. Existiam bosques naquela letra. Eu não entendia muito bem esse significado, pois eu morava num apartamento de fundos no Cambuci, mas uma vaga ideia me permeava o espírito. As viagens anuais ao Paraná ou mesmo a Minas me davam uma leve dimensão do significado dessa doce calmaria, morada dos deuses e de reles mortais que, como eu, gostaria de descobrir algumas coisas boas do mundo, mundo vasto mundo.
 
Então eu comecei a pensar, depois da notícia do Jornal Nacional, que a estação só poderia ser especial, elegante, capaz de carregar a euforia das cores pulsando ao sol. Nunca mais me esqueci de setembro.
 
E todos os anos, fico no aguardo do mês em que as flores vão se descortinando para dar os seus recados perfumados ao sabor do vento que teimam em ser democráticos. O perfume insiste em entrar nos narizes dos bons e dos maus, refrigerando as almas, tentando fazer despertar o que de bom existe escondido nos corações e que temos tanto medo em demonstrar.
 
Logo cedo, hoje, saboreando meu café Caboclo bem quente com pão de milho artesanal, feito em Santo Amaro da Imperatriz, pensei: primeiro de setembro – começo da II Guerra – ataque nazista a Varsóvia.... não! Não pode ser. Não poderia ser! Primavera não combina com isso – embora na Polônia fosse outono.
 
Não! É melhor pensar na primavera mesmo, na sua essência, me fazendo lembra o filme infantil em que o Fauno toca sua flauta, feliz e saltitante, anunciando a estação. É como se, anualmente, em forma de ritual, os perfumes das rosas, bromélias, violetas, manacás e jasmins viessem como porta-vozes do Criador distribuindo perdão e convidando os homens e mulheres para o milagre do viver em paz, com sorriso manso e acolhedor. Abraços apertados e quentes e aquele desejo de mais um dia e sem nenhuma preguiça de enfrentar mais uma segunda-feira.
 
E não importa se o ônibus vai lotado. Existem pássaros que passeiam pela Avenida Paulista. Quem sabe na rua de casa existem outros sabiás e que não temos ouvidos sensíveis o suficiente para dar o devido e respeitoso acolhimento.
 
Importa menos ainda se acabamos de levar mais uma decepção. Mais uma dentre as centenas que já tivemos que enfrentar nessa encarnação! O que interessa mesmo é estar inteiro, em plenitude. Esse chamado para a vida em extensão maior.
 
Ouço pássaros aqui na minha janela. O pau-brasil na sua exuberância na porta de casa. Os pés de alface no vaso se espreguiçam demoradamente ao receberem o seu jato de água bem cedo antes da minha caminhada. Os filodendros caminham silenciosamente mesmo no piso frio, pois resolveram ir além do vaso. A vida transborda! 
 
Uma melodia encantadora vem dos verdes vales. O divino traz o encantamento sem recato e algum silêncio.
 
Tempos da ternura do céu visitando as casas. É melhor deixar a vida entrar enquanto temos alguma sensibilidade, alguma pureza ao nos darmos o direito de criar, no coração, um espaço para a liberdade. Liberdade de sentir o aroma da terra, liberdade de ter guardado no peito o sentido do respeito pelo universo e a liberdade de não ter nenhum constrangimento de desejar a todos uma feliz primavera.
E-mail: vmoratta@terra.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 26/02/2015

Vera que lindo texto esse da primavera! Pena que ele tenha sido publicado no Verao , mas valeu pois voce declara o teu amor pela primavera que e linda . Eu amo todas as estacoes pois cada uma tem sua beleza particular principalmente quando voce consegue acompanha-las cada uma no seu tempo com suas particularidades . Eu a 40 anos atras tirei uma foto duma rua em que morava que me levou um ano para completala . Vou enviar a voce uma copia da mesma no teu endereco e tenho certeza que voce vai gostar. Parabens pela linda cronica cheia de poesia . Abracos Felix

Enviado por João Felix - jfvilanova@gmail.com
Publicado em 15/02/2015

Vera.como vai.

Lindo seu texto,alma sensível.

bj

Enviado por Benedita Alves dos Anjos - dosanjos81@gmail.com
Publicado em 11/02/2015

Lindo, lindo, lindo como sempre... Abraços e muitas flores para você, amiga!

Enviado por Neide Gaudenci de Sá - neidegsa@gmail.com
Publicado em 11/02/2015

Muito bonito, Vera. A Primavera deveria ser, sempre, uma estação especial. Hemingway, em "Paris é Uma Festa", fala da tristeza quando a Primavera demorava a chegar, ou era uma falsa Primavera.

Enviado por Luiz Simões Saidenberg - lssaidenberg@gmail.com
Publicado em 07/02/2015

Vera, muito lindo seu relato, realmente devemos receber a primavera com alegria e preservar as flôres, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 06/02/2015

Vera, eu comparo Setembro com a Sexta-feira, que com ela vem a expectativa de fim de semana e Setembro vem o fim de ano, festas, férias e no Brasil o mês de Setembro é um misto de fim de inverno e inicio de calor e seu texto é uma realidade do que vai acontecer, parabéns, Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
Publicado em 05/02/2015

Exaltação a primavera que só nossa querida, não apenas "prima" mas, irmá VERA. Com sua elegante manipulação das frases, a Vera consegue tirar perfumes de flores sem estar próxima. Seus parágrafos garantem uma leitura agradável e correta, sem esconder sua humana manifestação em todos os virtuais conceitos. Parabéns, irmã Vera.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 05/02/2015

Moratta, mais uma página a ser lida com prazer e se que nos convida à reflexão. Minha avó definia a Primavera como ESPERANÇA. E a Esperança é a Natureza que deve renovar-se a cada dia, dentro de nós.

Gostei muito.

Abração, Natale

Enviado por Wilson Natale - wilsonnatale@gmail.com
Publicado em 04/02/2015

Vera , salve Setembro, salve a primavera, salve você e todos os seus textos eles são poesia pura.

Enviado por Miguel S. G. Chammas - misagaxa@terra.com.br
Publicado em 04/02/2015

Que saudade dos seus lindos e poéticos textos, minha amiga! Sempre nos carregam em suas viagens delicadas e sensíveis!

Parabéns! bj

Enviado por Célia - rccsimonato@hotmail.com
« Anterior 1 2 Próxima »