Leia as Histórias

Categoria - Outras histórias Isabela e o Monge Autor(a): Alexandre Rossi - Conheça esse autor
História publicada em 03/10/2014
Isabela não gostava de história. Não se interessava por fatos curiosos, interessantes, coisas que a nossa cidade tem aos montes.
 
“- Nesta praça Isabela, muita gente já foi enforcada...”
 
“- Vê aquela marca na chaminé? Foi um tiro de canhão em uma antiga revolução... já faz quase 100 anos!”
 
“- Naquela casa Isabela, o imperador dormiu muitas vezes com sua amante...”
 
“- Tá vendo este edifício? Foi o primeiro arranha-céu do Brasil.”
 
Minhas citações, enquanto vagávamos pelas ruas de São Paulo, faziam com que Isabela assentisse com uma cara de interesse, mas no fundo devia se perguntar pra que servia saber aquelas coisas.
 
Numa ensolarada manhã de sábado saímos rumo a Florêncio de Abreu. Precisava comprar algo que já não lembro mais.
 
Ao passar defronte o Mosteiro e Abadia de São Bento, rememorei um cem número de coisas que aquele lugar representa para mim e pra esta cidade. Contive-me em comentar, afinal tínhamos muita pressa e pra que Isabela ia querer saber se ali fôra a taba do Tibiriça ou se os Monges ali cantam cânticos gregorianos?
 
Naquele exato instante, segurou-me pelo braço e puxou-me em direção a porta da Abadia:
 
- Vamos entrar, quero conhecer esta igreja!
 
Estranhei tamanho entusiasmo, mas concordei imediatamente apesar do pouco tempo disponível... Sábado as lojas fecham cedo.
 
Ao entrar na Abadia, notei um clima diferente das vezes que estivera por lá. Estava cheia de gente e um caixão repousava mais ou menos ali onde ficam os restos do Raposo Tavares. Missa de corpo presente? Em São Paulo? Isso não existe mais... Será alguma personalidade?
 
Duas dezenas de monges ladeavam o caixão e um grupo deles se destacou, levando-o aos ombros. De repente, reparo que uma enorme porta a esquerda se abre. Nunca vira aquela porta aberta. A luz do sol invade o átrio da abadia.
 
Descubro que é a porta que leva ao pátio central do mosteiro, um dos sítios mais antigos desta cidade ainda preservado e acessível em situações muito especiais.
 
Ao cruzar aquele portal, senti como se também tivéssemos voltado no tempo uns 300, talvez 400 anos.
 
Pequenas placas ao pé das paredes, antiquíssimas, revelavam nomes e datas, mostrando-me que se tratava também de um cemitério centenário.
 
 
Demos a volta ao pátio, o caixão foi depositado no chão, seguiu-se uma oração para em seguida ocupar sua última morada.
 
Acabávamos de presenciar o enterro de um monge do Mosteiro de São Bento.
 
Saí de lá atônito e acreditando que anjos existem e um deles de plantão defronte a abadia intuiu a desinteressada Isabela a nos proporcionar experiência tão marcante e comovente.
 
Ah... a tal compra ficou pra outro dia!
 
E-mail: arromeiro@uol.com.br
Localização da história
Login

Você precisa estar logado para comentar esta história.

Antes de Escrever seu comentário, lembre-se:
A São Paulo Turismo não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Publicado em 07/10/2014

Pois é, já disse o poeta:" existem mais mistérios entre o Céu e a Terra, do que pode prever nossa vã filosofia."

Enviado por Marcos Aurélio Loureiro - marcoslur_ti@yahoo.com.br
Publicado em 06/10/2014

Alexandre, o seu relato veio enriquecer ainda mais meus conhecimentos sôbre o Mosteiro de São Bento, parabéns pelo texto.

Enviado por Nelinho - lt.ltesser@hotmail.com
Publicado em 06/10/2014

Pois é Alexandre,desde a sua primeira história em 2009,na qual eu li e me comovi com a guerra em si e com a falta de dignidade e humanidade de alguns seres humanos,que se equivalem aos excrementos deixados naquele dia fatídico ....

Agora me surpreendi com uma história tão linda de curiosidade da Isabela na qual se encaixa aquele velho ditado "Água mole em pedra dura tanto bate até que fura" e assim aconteceu com sua insistência em contar fatos reais e historicos para a Isabela PARABÉNS!!!

Enviado por Walquiria - walquiriarocha@yahoo.com.br
Publicado em 06/10/2014

Alexandre, sair com uma pessoa jovem e apresentar a cidade é algo de magnífico, extraordinário e encantador. Parabéns pela experiência. Um abraço.

Enviado por Vera Moratta - vmoratta@terra.com.br
Publicado em 06/10/2014

Alexandre podes crer, Isabela teve um impulso que nem ela e ninguém pode explicar. Se ela era menina, na época, pode perguntar e ela te dirá que lembra vagamente, se é que vai recordar. Texto interessante, Rossi, parabéns.

Modesto

Enviado por Modesto Laruccia - modesto.laruccia@hotmail.com
Publicado em 04/10/2014

Belo momento, apesar de ser a despedida de alguém. Que idade tem Isabela? Isabela, sem perceber, já está demonstrando interesse. A semente já foi plantada.

Enviado por Marina Moreno Leite Gentile - dagazema@gmail.com
Publicado em 03/10/2014

Rossi, muito interessante essa história paulistana, não sabia que ainda se sepultavam pessoas(monge ou padre) em território da igreja e mais interessante ainda a repentina vontade de Isabela entrar naquele templo, são mistérios da vida, parabéns,Estan.

Enviado por Estanislau Rybczynski - estan_tec@hotmail.com
« Anterior 1 Próxima »